Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

21/09/2018

Kivu

Reportar o horror

As mulheres e as crianças, violadas e mutiladas à frente das suas famílias. Fazer prisioneiros os homens, com mais de doze anos. Cortar as mãos aos que resistirem. Queimar os bebés e os velhos nas suas cabanas, mortos ou vivos”
In Kivu (tradução de As Leituras do Pedro)

Se há muito Van Hamme anunciou a sua retirada da BD, pelo menos das grandes séries (XIII, Thorgall, Largo Winch...) que o tornaram - justamente - um dos mais apreciados argumentistas da chamada ‘banda desenhada de grande aventura’, volta e meia esquece esse propósito e vai-nos brindando com novas obras.
Kivu, acabado de lançar em França, marca a sua estreia - aos 80 anos! - no género BD reportagem.

20/09/2018

100 Balas: Primeiro disparo, última rodada

À prova de bala

100 Balas é um daqueles títulos emblemáticos da produção contemporânea (deixem-me escrever assim) norte-americana em quadradinhos.
Assenta num princípio simples: o protagonista de cada arco - foram diversos ao longos dos 100 comics que a série contou - recebe uma pistola não rastreável e uma mala com 100 balas, e a garantia de total imunidade, que pode utilizar para se vingar de alguém ou fazer justiça pelas suas próprias mãos.

Nas bancas: Donald #9

19/09/2018

Novembro

Indefenição

Oxalá pudéssemos viver eternamente em certos momentos da nossa vida…
mas os instantes são efémeros, por definição.”
In Novembro

A única certeza da vida é que na vida não há certezas. E cada vez menos, com a precariedade do emprego, a saída tardia de casa dos pais para uma vida própria, o isolamento provocado pelas redes sociais, a imaturidade que cada vez desaparece mais tarde.
Novembro, é sobre isto e, acima de tudo, sobre relações, a forma de as encarar, a forma de as viver. Que às vezes são coisas diferentes.

Leitura nova: Conversas com os Putos e com os Pais Deles

18/09/2018

La Mort Vivante

Boas influências




Narrativa neo-gótica de ficção-científica, que adapta o romance homónimo, de 1958, de Stefan Wul, La Mort Vivante é o novo álbum do português Alberto Varanda, onde demonstra todo o seu virtuosismo, sob a influência de grandes génios do traço.

Nas bancas: Homem-Aranha e Clássicos da Literatura Disney

 

15/09/2018

Comic Con 2018: regresso ao ano 1


Uma nova localização, um novo paradigma, um novo conceito, a sensação de novidade e a repetição de erros primários fez desta Comic Con, mais do que uma quinta edição, um reinício.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...