Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

30/08/2018

Marco Mendes: “Publicar o Diário Rasgado no Jornal de Notícias implica ter um discurso politizado na esfera pública”



Chama-se Marco Mendes, vive no Porto e desde há algumas semanas ocupa o topo da página 2 - de opinião - do Jornal de Notícias, com o seu Diário Rasgado, uma visão pessoal sobre o quotidiano.

As Leituras do Pedro: Quem é o Marco Mendes?
Marco Mendes: O Marco sou eu, um careca a rondar os 40 anos (faço-os em Outubro), casado com a Esra, uma arquitecta turca de 26, bem mais alta que eu (a Esra mede 1,85 m).
Sou professor (precário) de desenho em vários cursos superiores (arquitectura na FAUP e Design, na UA e no IPCA de Barcelos) e autor de BD\ilustrador freelancer.
Tenho um grupo de amigos que surgem nas suas BDs desde 2004. O mais recorrente é o Didi, um engenheiro da minha idade, com quem vivi em casas comunitárias durante vários anos, desde os tempos de estudante, até surgir a Esra, há cerca de dois anos. Todos vivemos no Porto, embora algumas histórias se passem na Figueira da Foz, a minha terra natal.
Nas minhas BDs os personagens vão mudando, envelhecendo. Daqui por 20 anos serão todos uns velhotes, mas entretanto vão surgindo umas crianças, como a Carolina, filha do Carlos e da Irene, que também já apareceram em várias BDs, (o Carlos é o tipo alto e barbudo, de poucas mas eficazes palavras e a Irene a sua dedicada companheira).

As Leituras do Pedro: Como nasceu o Diário Rasgado (que já existia online e deu mesmo origem a uma compilação em livro, antes de chegar ao Jornal de Notícias)?
Marco Mendes: Nasceu da série Peanuts, do Charles Schulz. A primeira tira que fiz neste formato, de quatro vinhetas, foi em 2007, no seguimento da leitura da compilação do autor publicada pela Fantagraphics. Claro que já conhecia o trabalho do Schulz desde sempre e na altura andava sobretudo a ler BD norte-americana da cena independente, (Clowes, Tomine, Joe Matt, Peter Kuper, Crumb, Spiegelman, Chris Ware, etc.), mas foi ao ler aquela compilação que decidi fazer o mesmo, com personagens reais.

As Leituras do Pedro: O que significa para ti seres convidado para a página de opinião de um jornal com a tradição do Jornal de Notícias?
Marco Mendes: Significa o concretizar dum velho sonho. Há uma longa tradição de tiras de banda desenhada na imprensa, incluindo a nacional, da qual sou um enorme devedor. De Herriman a Bordallo Pinheiro, há muitos autores que revisito e que me motivam a trabalhar nestes moldes. Sinto-me muito grato por este convite.

 

As Leituras do Pedro: A mudança para o Jornal de Notícias, obriga à publicação diária (antes era irregular). O que mudou na tua forma de trabalhar?
Marco Mendes: Agora sou pago por cada BD que faço e não posso preguiçar. Tenho que ser mais eficiente, não posso perder tempo a resolver erros infantis, nem mudar de ideias a meio do processo. Sou menos experimentalista no desenho, optando por um registo com menos “acidentes gráficos” e mais na escrita, aventurando-me em territórios que para mim eram virgens.

As Leituras do Pedro: Outra mudança evidente, foi a obrigação de alargares a temática do Diário Rasgado, centrando-a menos em ti e mais na actualidade. O que implica isto para ti?
Marco Mendes: Implica assumir a responsabilidade de ter um discurso politizado na esfera pública, algo que até agora praticamente só fazia em privado, com os meus amigos. Embora algumas tiras fossem já políticas, o meio a que se destinavam libertava-as do peso da responsabilidade que agora tenho, de comunicar com quem pode ter opiniões muito diferentes das minhas.

As Leituras do Pedro: O que custou mais: a mudança de ritmo ou de abordagem?
Marco Mendes: O ritmo. Podia ter optado por um desenho mais simples, mas quanto mais tento, mais complico. Funciona mais ou menos deste modo: se encontro um modo de fazer algo mais rápido, como por exemplo usar aguarelas em vez de marcadores, inadvertidamente dou comigo a representar demasiados detalhes, ou a preocupar-me excessivamente com a luz ou a anatomia dos personagens.

 

As Leituras do Pedro: Qual é o processo de criação de cada ‘página’ do Diário?
Marco Mendes: São muitos processos diferentes de acordo com o tipo de BD que quero fazer. Algumas são desenhadas de memória, noutras recorro a imagens fotográficas, ou a desenhos de observação a partir do real. Alguns argumentos recriam situações reais, outras vezes são totalmente inventados, ou adaptados de poemas, canções, etc. Quando faço algumas BDs seguidas do mesmo tipo, a seguir tento mudar. Quanto aos temas, se já fiz duas BDs sobre os incêndios é provável que não faça uma terceira durante algum tempo.

As Leituras do Pedro: Ao contrário do que é habitual neste tipo de banda desenhada editorial, tens um traço bastante trabalhado e aplicas-lhe cor. Quanto tempo levas a escrever e a desenhar cada página?
Marco Mendes: A mais rápida que fiz demorou 2 horas. A mais lenta vários dias. Em média 4 a 6 horas.

As Leituras do Pedro: Crias cada página diariamente ou tens algumas de reserva para eventuais ‘brancas’?
Marco Mendes: Tinha uma reserva de meia dúzia delas, agora não. Desenho todos os dias. Muitas vezes antes de me sentar à mesa não imagino o que vou fazer, mas algo tem de sair.

 

As Leituras do Pedro: Recebes sugestões de amigos?
Marco Mendes: Constantemente. Mas com a excepção da Esra, a minha companheira, nunca são aproveitáveis. Da Esra já aproveitei uma ou outra. Só é pena não mas entregar logo desenhadas!

As Leituras do Pedro: Tens tido reacções ao Diário Rasgado?
Marco Mendes: Os meus familiares, amigos e alunos dizem que gostam e seguem atentamente. As outras pessoas não sei, mas espero que no geral gostem.

(versão integral da entrevista que serviu de base ao texto publicado no Jornal de Notícias de 14 de Agosto de 2018; imagens seleccionadas e disponibilizadas pelo autor; fotos da autoria de Júlio Moreira; clicar num,as e noutras para as aproveitar em toda a sua extensão)

1 comentário:

  1. Sabendo que o jornal precisa vender, (nomeadamente a sua versão de papel), é uma pena não haver (eu não consegui encontrar) um link para o "diario rasgado" no site do JN.

    No mais, de todas as BD desta parceria que consegui ler (neste e em outros blogs), percebo que as temáticas são muito variadas. O que provavelmente permitirá ter uma adesão maior do que se sempre limitada ao humor (mesmo que muitas vezes o humor seja amargo).

    Parabés aos dois (JN e Marco Mendes) e que a parceria se prolongue por muitos e proveitosos anos.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...