Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

17/06/2018

Cisco Kid

 
Semana do Western I
Começa hoje, com Cisco Kid, uma semana que As Leituras do Pedro vão dedicar ao Western.
Este Cisco Kid, recuperado em edição cuidada, como habitualmente, da Libri Impressi, de Manuel Caldas, é uma criação clássica e impoluta, irrealista na sua genuinidade e na sua ingenuidade, embora igualmente capaz de conquistar leitores, embora por motivos diferentes.
Condicionado pela censura que vigorava nos anos 50 nos Estados Unidos, sujeito ao escrutínio atento dos responsáveis da imprensa, Cisco Kid, à imagem de muitos dos westerns ligeiros de então, é uma obra sem segundos sentidos nem intenções, uma banda desenhada de aventuras em que tudo e todos parecem exactamente o que são, em que os bons são mesmo bons e os maus nunca são assim tão maus. Em que o que vemos é o que temos, e a solução linear que nos ocorre é que previsivelmente aquela que quase sempre tem lugar. Para além disso, apesar das muitas perseguições e tiroteios, em Cisco Kid é difícil encontrar mortos, seja por acidente ou provocados.
Isto não invalida que não seja possível deparar com algumas situações mais inesperadas, como o caso do ex-pistoleiro proibido de usar armas pela esposa ou a presença recorrente do (não tão) vilão Red Riata, ‘socialite’ anacrónico sedento das luzes da imprensa, tão capaz de organizar um assalto quanto de concorrer a umas eleições para ser subornado e enriquecer, vendo-se depois tão ocupado com a presidência ganha, que nem tem tempo de ser desonesto.
Face à galanteria e à facilidade com que Cisco cai nas boas graças das (muitas e belas) jovens com quem se cruza, à sua agilidade com a pistola ou à infalibilidade com os punhos – pese alguma dose de ingenuidade aqui e ali – Rod Reed teve de lhe dar, como contraponto, um companheiro em tudo díspar, amante da boa mesa e da boa cama, fonte de alguns momentos de humor burlesco, mas pouco dado a confrontos, embora sempre pronto a ajudar o amigo.
O traço com que o argentino José Luís Salinas os apresentou aos olhos dos leitores de então – como aos de hoje – é fino e elegante, detalhado no tratamento da figura humana e dos planos próximos mas menos cuidado para os fundos e os cenários. Destaque para a expressividade dos rostos e para a beleza e sensualidade das sucessivas jovens que se perdem de amores por Cisco, na composição da imagem de marca de um western que poderíamos apodar de romântico e tradicional.
O que não significa, longe disso, que seja um western desinteressante ou que não mereça uma leitura atenta e dedicada.

Cisco Kid
#9 Los Bandidos y las Damas
#10 Un pistolero sin armas
Rod Reed (argumento)
José Luís Salinas (desenho)
Libri Impressi
Espanha, Maio de 2018
280 x 230 mm, 96/88 p., pb, capa mole
18,50 €

[O acaso - com uma pequena ajuda - juntou nas minhas leituras - ou mais exactamente nas minhas escritas - uma série de westerns, completamente díspares, que têm em comum, para além dessa temática genérica, a qualidade que os torna leituras aconselháveis.
BouncerCisco Kid, Ken Parker, Matt Marriott, Tex Willer (não obrigatoriamente por esta ordem alfabética em que foram citados) irão ocupar este espaço por estes dias, transformando-o quase numa ‘semana do western’, onde, por exemplo, também podia ter entrado Duke.]

(clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

8 comentários:

  1. Mais uma vez uma publicação com muita qualidade, não fosse de Manuel Caldas, só um (pequeno ?) defeito, não haver uma em Português.
    Não sei o porquê de agora não publicar em Português.
    Boas leituras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A razão, infelizmente, é sempre a mesma: não é financeiramente compensador (entenda-se; não vende o suficiente para pagar a edição...)
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Excelente ideia e em óptima hora, Pedro. O Matt Mariott deixou-me com uma pulga atrás da orelha porque não conhecia e ao pesquisar na net li algumas coisas muito recomendáveis. Mas mesmo assim fiquei algo indeciso. Agora vou esperar pela tua critica para decidir se compro ou não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito, muito recomendável, Eskorpiao77, como a crítica há-de-dizer.
      Boas leituras!

      Eliminar
  3. Paulo Pereira17/6/18 22:12

    Ken Parker jå merece uma edição condigna em Portugal. Talvez o melhor western realista de sempre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Merece, sem dúvida, mas não me aprece fácil nem provável que aconteça... Infelizmente!
      Boas leituras!

      Eliminar
  4. Curiosa a justificação de não publicar em Português por falta de compradores, quando no nosso país tem aumentado e diversificado cada vez mais a oferta de publicações pelas Editoras, o que significa que se vendem bem. Além disso as publicações anteriores de Manuel Caldas, em Português, há muito que estão todas esgotadas.

    ResponderEliminar
  5. Um género aonde só gosto do Lucky Luck e dele:

    https://d1466nnw0ex81e.cloudfront.net/n_iv/600/930129.jpg

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...