Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

28/05/2018

Liga da Justiça: O Prego - A teoria do caos


Mais teoria que caos...


Proveniente do universo alternativo Elseworlds, da DC Comics, O Prego baseia-se num pressuposto aliciante: o que aconteceria se um furo na carrinha - provocado pelo tal 'prego' - impedisse o casal Martha e Jonathan Kent de encontrar o bebé que viria a ser o Super-Homem.
A resposta, no entanto, não está à sua altura.
[E atenção à continuação da leitura, desta vez há mesmo alguns spoilers daqui para a frente...]
Datada de 1998, esta história escrita e desenhada pelo veterano Alan Davis, apesar do estimulante pressuposto, agarra-se demasiado à ordem e organização do universo DC tal como o conhecemos, não se atrevendo a perturbá-las demasiado - ao contrário do que fizeram outras narrativas similares - e em Gotham, Star City e outros locais, tudo decorre mais ou menos como seria esperado.
A própria Liga da Justiça, embora sem o Super-Homem, mantém todos os seus membros, organização e meios. A única excepção à ordem (re)conhecida - não tão excepção assim, na verdade - é Metrópolis, onde Lex Luthor chegou 'legalmente' ao poder por via eleitoral graças à popularidade conseguida com um programa anti-meta-humanos.
É deste ponto que Alan Davis parte e abre o jogo e o relato, apostando num clima crescente de perseguição àqueles que até então eram super-heróis apreciados e aclamados, alimentado por um racismo primário, forças de segurança muito poderosas e uma bem orquestrada manipulação da realidade através do controlo dos media - o que vês na TV é a realidade, mesmo que não seja.
A situação vai-se agravando para a Liga e os seus aliados, mesmo que ocasionais, o clima de violência gerado é transportado para o relato com sucessivas mortes de super-heróis e vilões, mas aos poucos, graças a pistas espalhadas por Davis, na mente do leitor vai-se formando a dúvida se é Luthor que controla a situação ou se existe alguém a fazê-lo na sombra.
Num crescendo de dúvida e incerteza, O Prego encaminha-se em velocidade cada vez menos moderada para o seu final - esperado mas com algo de inesperado - que na prática afirma o que todos sabíamos (mas de que, a certo ponto, quisemos duvidar): apesar das baixas, tudo fica na mesma e a ordem que conhecemos volta ao universo DC.
Mais 'olhos que barriga', diria o povo; a mim parece-me que Davis não soube - não quis ou a DC não deixou - levar a extremos mais arriscados as consequências da sua ideia base.
Onde, aos meus olhos, ressalta a não exploração de uma ideia - só um pormenor...? - com tudo para desafiar o leitor e realmente colocar muita coisa em questão: o que poderia uma educação amish, como a que Kal-El recebeu aqui, hiper-religiosa, restritiva e fechada sobre si mesma, fazer sobre o desenvolvimento e a formação dos princípios de vida do (futuro) Super-Homem?
A resposta, sei-o bem, mesmo numa narrativa Elseworlds, não poderia ser outra: seja qual for o contexto narrativo, a educação ou a forma de vida, há coisas e seres que nunca mudam e entre eles está o Super-Homem, imutável na sua previsibilidade e na sua fidelidade aos princípios de justiça, bondade e defesa dos fracos e oprimidos que o norteiam há décadas.

Liga da Justiça: O prego - A teoria do Caos
Colecção Liga da Justiça #3
Alan Davis
Levoir/Público
Portugal, 23 de Novembro de 2017
175 x 265 mm, 152 p., cor, capa dura
10,90 €

(imagens disponibilizadas pela editora; clicar nelas para as apreciar em toda a sua extensão)

8 comentários:

  1. Bons tempos em que havia DC em Portugal... Agora que o ano de teste da Levoir acabou, com um claro chumbo, resta saber quem vai assumir os direitos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eles vão publicar DC ainda este ano só espero que os títulos sejam bem escolhidos e não escolham títulos mediocres e publiquem os grandes clássicos da editora

      Eliminar
    2. Muita pena de ver o superman não ter uma colecção para mim foi do mais desrespeitoso que vi este ano um personagem com tanta historia e este ano celebra 80 anos e a publicação da action comics 1000.
      A levoir tem feito um bom trabalho e este ano trouxe bons titulos mas a coleção de novelas graficas para mim vai ser mais uma coleção que vou deixar passar..
      O facto de serem detentores da DC em portugal merecia bem mais destaque e mais titulos e poderiam experimentar fases com batman green lanterns flash e até liga da justiça ao estilo da G-Floy que tem feito um excelente trabalho com a jessica jones,punho de ferro, x force e agora a Ms Marvel. Infelizmente preferiram publicar a harley quinn e nem a melhor fase da personagem publicaram...

      Eliminar
    3. O Pedro já escreveu aqui que não conhece planos da Levoir para a DC e que teremos novidades no fim do ano.

      Eliminar
    4. Sim também já li que a Goody poderia assumir a DC e se sim era uma boa escolha para publicar histórias atuais mas para coleções com materiais dedicados a personagens e coleções genéricas com mix de títulos clássicos preferido a levoir e espero que assim continue só mesmo se quem pegar nos direitos tenha um plano muito consolidado daquilo que quer fazer...
      Se a levoir continuasse com a vertigo como grande aposta isso sim seria uma notícia fantástica

      Eliminar
    5. Estão boas notícias a caminho... haja mais um pouco de paciência!
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Só espero poder dizer dentro de algum tempo que a espera valeu a pena.Mas penso que não haja necessidade de esperar pelo meio do ano para lançar nem que sejam umas migalhas de dc e vertigo.Espero mesmo que valha a pena esta espera.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que a espera vai valer a pena... e não vai ser tão longa quanto alguns pensarão.
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...