Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

18/07/2017

Capitão América: O Escolhido

Conceito





Mais que uma personagem nesta história - embora seja seu co-protagonista e o fundamental da sua origem passe perante os nossos olhos - o Capitão América em O Escolhido é mais um conceito, uma forma de estar e viver segundo quatro princípios: coragem, honra, lealdade, sacrifício.
Pertencente ao projecto que há anos levou a Marvel a contar o fim de alguns dos seus heróis mais marcantes (para além do Capitão América, Hulk, Justiceiro…), O Escolhido divide-se em três momentos que alternam entre si ao longo do relato: a campanha do cabo Newman no Afeganistão, em missão terroristas da Al Qaeda (um tema recorrente na BD norte-americana recente de super-heróis, ainda e sempre sob a égide dos atentados do 11 de Setembro de 2001), os momentos marcantes da origem do Capitão América que ele reconta a Newman em termos práticos e de motivação e o definhamento acelerado do super-herói devido aos tratamentos que sofreu e a um último projecto em que se envolveu que lhe permite contactar telepaticamente à distância.
Escrito por David Morrell, um romancista canadiano sem qualquer experiência em BD, mas em cujo currículo figura “First Blood”, o livro em que se baseou a franquia cinematográfica “Rambo”, protagonizada por Sylvester Stallone, este ‘fim’ - definitivo e absoluto, mesmo que num universo paralelo - naturalmente assume contornos de relato de guerra, de acentuado realismo graças ao traço de Mitchell Breitweiser, inevitavelmente (?) de cunho vincadamente americanista, em que ressaltam a superioridade moral dos seus heróis, a sua capacidade de sacrifício pelos outros - que o capitão América, uma última vez, vincará - e a honra e a coragem dos soldados norte-americanos.
A assunção, plena, afinal, do tal conceito que o Capitão América sempre representou, enquanto símbolo e encarnação de um certo ideal.

Capitão América: O Escolhido
Colecção Oficial de Graphic Novels Marvel
Volume 20
David Morrell (argumento)
Mitchell Breitweiser (desenho)
Salvat, redistribuição com a Sábado e o Record
Portugal, 14 de Julho de 2017
180 x 260 mm, 160 p., cor, cartonado
11,99 €

(imagens disponibilizadas pela editora; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

4 comentários:

  1. Na cultura de massas dos USA, não há lugar para outros pontos de vista.
    Aliás, o americano médio (por "americano" leia-se "habitante dos USA, normalmente WASP - White Alglo Saxon Protestant"), como dizia, o americano médio, só sabe aquilo que vê nas suas TV's ou lê nos seus jornais. Em alguns aspectos, está tão controlado pelas suas élites quanto os habitantes da Coreia do Norte.

    Não deixo de ficar de "boca aberta" quando vejo/vi (creio que foi num livro qualquer das séries Levoir da DC) os membros da JLA (Justice League of América") que inclui uma Amazona -eu diria, técnicamente seria de origem Grega- e um alienigena, a terem uma reunião onde decidem intervenções em todo o mundo sem perguntarem ou "sem se perguntarem" se o tal resto do mundo quer ou aceita essas intervenções....

    Ou seja, para mim, o Capitão América, por mais moral e bonzão que seja, é uma personagem que me irrita e essa irritação começa logo pelo próprio nome.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Por acaso esse arco muito fraco e falha redondamente a explicar porque Steve Rogers faz sem ter essa visão americanista pro-exercito.
    Para mim o arco que representa o Capitão América este arco:

    http://images.randomhouse.com/cover/9780785149651

    " Long-time Captain America fans often cite this 1987 storyline as one of their favorites — a story that some argue inspired the popular Civil War arc. After Captain America refuses to take the orders of a government committee, Steve Rogers is fired and a replacement Captain America is named. However, Rogers refuses to leave the role quietly, donning a new black costume and traveling the nation calling himself “The Captain.” He has to avoid the authorities, he gets into a fight with Iron Man, he teams up with some of his hero friends to rediscover his purpose — it has several “Civil War” parallels. It’s a fun ride watching Rogers prove there is (and always will be) only one Captain America. (The graphic novel is out-of-print, but is available used or digitally via the Kindle and comiXology apps)."

    Saiu no fomatinho do Capitão América da Abril jovem e dado o elevado numero de paginas nunca voltara a sair.Eu tenho em tpb.
    E

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu lembro-me desse arco! Alguns dos co-protagonistas não me dizem nada e semprei achei fracos enquanto personagens (demolition man e nomad) mas sim, é uma boa fase com bons momentos de pura ''superhero fun''. A run do Gruenwald é daquelas que tem tendencia para ser subvalorizada, e em certa medida com razão, mas tem momentos muito bons, sem duvida. No entanto para mim as duas melhoras runs do cap ainda são a do Stern/Byrne (muito curta) e a do Brubaker (a primeira).

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...