Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

24/01/2013

Comics Star Wars #1 – Clássicos #1




  



Roy Thomas, Don Glut e Archie Godwin (argumento)
Howard Chaykin, Steve leiloha, Rick Hoberg, Bill Wray, Frank Springer, Tom Palmer, Alan Kupperberg, Carmine Infantino e Terry Austin (desenho)
Planeta DeAgostini
(Portugal, 10 de Janeiro de 2013)
170 x 260 mm, 192 p., cor, cartonado
1,99 €



Antecipando a chegada às bancas portuguesas, na próxima 2.ª feira*, do segundo tomo (ao preço de 5,99 €) de um dos mais ambiciosos projectos aos quadradinhos que Portugal conheceu nas últimas décadas, justifica-se uma análise ao volume inicial da colecção Comics Star Wars.


Partindo do objecto (livro) em si é justo dizer que é uma boa edição, ao nível do papel, impressão e encadernação. Que – também por isso – merecia uma legendagem mais atenta, à qual não se pedia mais do que acompanhar a original, o que está longe de fazer, esquecendo uma equilibrada ocupação dos balões e ignorando (quase) totalmente as variações do tipo de letra para definir o rom de voz de cada um dos intervenientes.
Em termos editoriais, impunha-se a inclusão de textos de apoio que ajudassem a contextualizar a obra e situassem as diversas histórias dentro da vasta cronologia do universo Star Wars, fazendo também todo o sentido a indicação das datas originais de publicação e a inclusão d(e algum)as capas originais.
Quanto ao conteúdo em si, facilita se dividirmos este Clássicos #1 em duas partes.
Na primeira, encontramos a adaptação do primeiro filme “Star Wars” que estreou nos cinemas em 1977. Se de alguma forma pode ser considerada uma surpresa a entrega de uma adaptação cinematográfica deste género a dois nomes consagrados dos quadradinhos de super-heróis, Roy Thomas e Howard Chaykin, a verdade é que o traço deste último surge aos olhos do leitor como pouco cuidado e impreciso, com oscilações excessivas na definição dos intervenientes de prancha para prancha e pouco empenho na constituição dos cenários. Desconheço se o facto de a BD ter começado a ser editada passados apenas dois meses após a estreia cinematográfica teve um grande peso no resultado final (no que a prazos apertados diz respeito), mas a verdade é que os leitores – tal como Star Wars - mereciam – e esperavam -mais.
Em termos de argumento, Roy Thomas demonstra competência e consegue, mais do que adaptar o filme (o que geralmente significa que só quem o visionou desfruta em pleno da BD) transpor a história original para um novo suporte, mantendo fidelidade ao seu espírito e sem a descaracterizar.
Na segunda metade do livro, inicia-se a expansão do universo Star Wars através da BD, que ao longo dos anos haveria de atingir uma dimensão que, certamente, era de todo inimaginável quando estas bandas desenhadas foram criadas. Nelas, a situação de alguma forma inverte-se, pois enquanto os argumentistas parecem tactear em busca do melhor tom a adoptar pelo relato, que sofre com o aparecimento em catadupa de lugares e personagens novos de importância diversa, o traço vai melhorando – também em função da qualidade dos diversos arte-finalistas que por ela foram passando – mas em especial quando Carmine Infantino e Terry Austin assumem o desenho, elevando a qualidade gráfica da série - o que o tomo #2 virá (ou não) confirmar.
Em jeito de conclusão, pode dizer-se que este início – para o bem e para o mal – tem as marcas incontestáveis do estilo Marvel dos anos 1980. Mas esse é um “mal” necessário numa colecção deste género, de características cronológicas (embora não exaustivamente), que se propõe publicar perto de 14 mil pranchas de quadradinhos Star Wars!

Nota final
Na sequência da publicação deste texto, a Planeta DeAgostini informou-me que todos os volumes desta colecção serão distribuídos à segunda-feira. As datas indicadas no site da colecção estavam erradas e vão ser corrigidas.
Em complemento, lembro que a colecção Comics Star Wars será quinzenal até ao volume 9, passando depois a uma periodicidade semanal.



9 comentários:

  1. Viva Pedro

    Parece que hoje não houve star wars nas bancas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Nuno,
      Não é hoje, é dia 28, segunda-fera, como entretanto foi corrigido acima...
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Rui!
      Desculpa mas apaguei involuntariamente o teu comentário.
      Aqui vai ele:

      Parece que este primeiro livro merecia melhor estreia. Mesmo assim deve ter sido uma leitura interessante.

      Eliminar
    2. Olá (de novo) Rui!
      Apesar de tudo, acho que o livro e a colecção valem a pena, em especial para os fãs de Star Wars (o que não é o meu caso), embora falte a contextualização...
      E para a frente existem muitas histórias boas, daquelas que qualquer leitor de quadradinhos aprecia, mesmo desconhecendo os meandros do universo Star Wars...

      Boas leituras... Sar Wars ou não!

      Eliminar
  3. Aconselho a leitura da história em como a Marvel conseguiu o licenciamento do filme Star Wars:
    http://www.jimshooter.com/2011/07/roy-thomas-saved-marvel.html

    Faz parte da história, e dá para perceber como a Marvel funcionava nos idos anos 70 e 80.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Dinis,
      Obrigado elo contributo, muito interessante sem dúvida.
      É este tipo de conhecimento, a diversos níveis, que por vezes falta a quem comenta e leva, até, a dizer algumas asneiras...!
      Boas leituras!

      Eliminar
  4. Epá! Realmente o espaçamento das legendas nos quadrados daquela página de abertura até metem medo :S Detesto quando estou a ler e um problema 'técnico' destes me arranca da história. Seria bom, para quem está a fazer a colecção, que este problema fosse resolvido nos próximos volumes. Quanto à arte destes primeiros volumes referentes à Marvel, parecem ser exactamente aquilo de que me lembro quando as vi em miudo. Algo pobre em termos de cenários e deixam a sencação de terem sido feitas um pouco a correr.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís,
      Sim, há problemas de legendagem, que podem ser corrigidos.
      Quanto à arte, é mais difícil! ;)
      Mas é inevitável numa edição cronológico, que acaba por ter valor documental. Claro que quem estiver interessado apenas em boas histórias, terá que fazer uma selecção entre os muitos volumes que vão ser editados...
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...