Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

21/12/2012

The Walking Dead #4 – O Desejo do Coração










Robert Kirkman (argumento)
Charlie Adlard (desenho)
Cliff Rathburn (tins cinzentos)
Devir (Portugal, Dezembro de 2012)
168 x 258 mm, 136 p., pb, brochado com badanas
14,99 €



Resumo
Compilação dos comics originais #19 a #24 de The Walking Dead, este tomo narra a instalação do grupo de Rick Grimmes na prisão, a sua limpeza, o adensar das tensões e a chegada de Michonne.

Desenvolvimento
Sob o signo do fim do mundo (?), depois de "O Baile",  voltam os mortos vivos esta semana a As Leituras do Pedro.
De alguma forma já o escrevi anteriormente: nunca tendo lido The Walking Dead antes da Devir o editar em Portugal, actualmente confesso-me rendido tanto à banda desenhada original quanto à série televisiva nela inspirada.
Aliás, um dos prazeres que tiro de The Walking Dead é comparar a forma como as duas narrativas se desdobram, de certa forma em paralelo, embora com diferenças evidentes que, no entanto, não retiram consistência, interesse nem impacto a nenhum dos relatos.
Desenvolvidas segundo linhas condutoras genéricas semelhantes, mas com variações evidentes e notórias no seu decurso – as mais evidentes, mas não únicas, passam por quem morre e por quem continua vivo no grupo principal – conseguem funcionar em pleno em cada um dos diferentes suportes.
Por isso veja-se como Michonne – a mais recente nova protagonista em ambos os casos – assume papeis capitais mas completamente díspares num e noutro relato, tendo mesmo carácter diverso, embora o seu aparecimento junto do grupo de Rick e Lori ocorra em circunstâncias bem diferentes.
A versão televisiva, cuja terceira temporada vai sensivelmente a meio, embora os novos episódios só regressem em 2013, (curiosamente) é mais pausada, o que permite um maior aprofundamento do retrato psicológico dos intervenientes, mas é também mais violenta – ou de uma violência mais imediata - pelo realismo das suas cenas e pela presença da cor.
Quanto à banda desenhada apresenta um ritmo mais acelerado – devido à cadência da publicação mensal – mas, graças à planificação utilizada, consegue também acentuar devidamente a componente de terror.
Comum a ambas é a densidade psicológica da narrativa, o retrato forte e muitas vezes cruel dos protagonistas e o incómodo causado pela violação de regras, leis e valores a que são forçados os intervenientes pelas situações limite que têm de enfrentar (como acontece a Rick neste tomo). Porque, a segurança que a prisão ocupada deveria oferecer, está longe de se concretizar e os níveis de tensão no seu interior – tensão sexual, entre diversos componentes do grupo; violência, enfrentando os mortos-vivos, entre os antigos e os novos ocupantes e mesmo entre aqueles que tanto já passaram juntos – não param de crescer e de forçar os limites de cada um.
E o Governador – presença tutelar da 3.ª série televisiva – ainda não fez a sua aparição na BD…
Igualmente comum, é a elevada qualidade narrativa e visual de ambos e a capacidade de seduzir (muitos) leitores/espectadores para uma temática geralmente pouco popular.
A terminar, fica um duplo elogio para a quase simultaneidade entre a exibição nos Estados Unidos e em Portugal, na Fox, e para os três volumes que a Devir editou este ano – o 3.º e o 4.º no último trimestre, numa notória aceleração do ritmo de publicação.


4 comentários:

  1. A série ainda não a vi (estou a guardar :), mas já li até ao fim da fase da prisão e esta série é sem duvida nenhuma uma das melhores séries de Bd dos ultimos anos. Adoro o facto de que, mesmo sendo a preto e branco, consegue-nos prender volume após volume após volume novamente. A fase da prisão é muito engraçada pois pela primeira vez têm um sitio que parece ser mais seguro do que o resto do mundo. Sem duvida uma série a não perder :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá de novo, Luís!
      Aconselho vivamente a visualização urgente de uma das melhores séries televisivas em curso! Até para poder comparar e descobrir as muitas diferenças em relação à BD!
      Boas leituras... e boas visualizações!

      Eliminar
  2. Eu vou no 2º volume e mal posso esperar para ter o 3º nas mãos :D é engraçado, visto que eu já vi a série, ver algumas das diferenças, e a emoção da banda desenhada é diferente, virar aquela penultima página no 2º volume e ver a prisão, é épico.
    Em relação a outro assunto, gostava de te perguntar uma coisa Pedro, és coleccionador ou também vendes bd's? É que há montes de tempo que procuro um livro do Hellboy que tu tens. Caso vendas diz algo, abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro 16hnnyyy,
      E o curioso é que a história funciona igualmente muito bem num ou noutro suporte, apesar de todas as diferenças!
      Quanto a vender livros ou objectos de BD, confesso que tenho um bom lote de repetidos e ando há procura de tempo para os colocar à venda através do blog... Pode ser que consiga em 2013...
      Mas o Hellboy não está entre esses duplicados...
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...