Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

20/11/2012

Chlorophylle – Intégrale #1










Raymond Macherot
Le Lombard (Bélgica, 26 de Outubro de 2012)
222 x 295 mm, 208 p., cor, cartonado
26,50 €



Resumo
Primeiro dos três tomos previstos da reedição integral das aventuras de Chlorophylle, este volume inclui as histórias Mission Chévrefueille (uma espécie de balão de ensaio da série), Chlorophylle contre les rats noirs, Chlorophylle et les conspirateurs, Pas de salame pour Céliméne e Le Bosquet Hanté.
Inclui ainda três histórias curtas realistas escritas e desenhadas por Macherot no Tintin belga: Le véritable monde perdu, L’Homme qui tua le diable e L’odyssée du Flandres Impériale.
A abrir o volume, antes das bandas desenhadas, surge um dossier da autoria de Jacques Pessis, sobre o percurso de Macherot, profusamente ilustrado, com muitos inéditos.

Desenvolvimento
As reedições integrais em magníficas edições como esta, continuam na ordem do dia no mercado francófono, recuperando obras – hoje – clássicas dos anos 50, 60, 70, 80 e mesmo 90, ou seja aquelas que foram lidas pelas gerações que têm hoje maior poder de compra.
Se alguns deles me têm valido boas descobertas, Chlorophylle era uma das séries que eu aguardava com maior interesse.
Chlorophylee, um pequeno roedor, estreou-se nas páginas do Tintin belga #336, a 14 de Março de 1954. Aí viveu diversas aventuras, entre curtas e longas, em companhia de Minimum, outro roedor, a lontra Torpille, o corvo Bitume e o coelho Serpolet, entre outros.
Em meados dos anos 60, Macherot trocou o Tintin pelo rival Spirou, onde criou Sibyline, cuja estrutura é muito semelhante à de Chlorophylle, sendo este último retomado por autores como Dupa ou Greg.
No início da série a quietude do bosque onde os protagonistas vivem é quebrada por uma invasão de ratos negros comandados pelo pérfido Anthracyte, que uma vez derrotado por Chlorophylle se transformará em seu inimigo.
As aventuras decorrem quase sempre em ambiente rural, campestre ou florestal, apenas com uma ou outra escapadela citadina, como acontece neste tomo em Pas de salame pour Céliméne, onde se Chlorophylle assume igualmente o protagonismo, num relato de tom detectivesco, claramente não está no seu ambiente natural, tal como o seu autor, aliás.
Banda desenhada animalista, de tom terno e ingénuo, conquistou-me desde que a conheço e não me canso de a reler, sempre com agrado.
Pela forma solta e fluente como está escrita (apesar de desenvolvida ao sabor da inspiração, uma vez que Macherot não desenvolvia previamente um argumento base)?
Pelo traço agradável, seguro, ágil, dinâmico e cativante?
Pelo retrato assertivo da sociedade humana, através dos pequenos animais do bosque onde Chlorophylle e os seus amigos habitam e vivem as suas aventuras?
Pelos muitos pormenores divertidos ou curiosos espalhados pelo autor no fundo das pranchas ou à margem da acção principal?
Possivelmente por tudo isto e ainda mais que desafio a (re)descobrirem.

Em Portugal
Chlorophylle chegou rapidamente ao nosso país, estreando-se nas páginas da revista Flecha #12, a 27 de Janeiro de 1955, menos de um ano após o seu lançamento no mercado francófono.
Depois, seria presença recorrente nas páginas da versão nacional do Tintin, tendo igualmente aparecido no Almanaque Tintin.
As duas primeiras histórias deste volume marcaram presença no segundo tomo da colecção Clássicos da Revista Tintin (ASA/Público), sendo que a segunda e a terceira já tinham sido editadas pela Edinter nos anos 1980.
Chlorophylle, teve igualmente a honra de protagonizar um dos primeiros álbuns de BD editados entre nós, Clorofila e os Quebra-Ossos (início da década de 1960), uma edição hoje em dia muito rara, cabendo a um dos seus exemplares o recorde do livro de banda desenhada mais caro vendido em Portugal: 575 euros!

Curiosidade
Entre as duas primeiras histórias longas e as restantes há uma evidente diferença ao nível do colorido, cuja explicação é dada no livro. Chlorophylle contre les rats noirs e Chlorophylle et les conspirateurs, reproduzidas a partir dos filmes originais a preto e branco, foram recoloridas digitalmente, respeitando as cores de Macherot.
Para as restantes, uma vez que os filmes originais não foram encontrados, foi necessário utilizar como base as páginas impressas da revista Tintin.

A reter
- A genuinidade das histórias ternas, divertida e cativantes.
- O dinamismo do traço de Macherto
- A bela edição, digna sem dúvida da obra que reproduz.


2 comentários:

  1. Que saudades deste tipo de Bd! Suponho que tão cedo não apareça uma edição portuguesa :S

    É de rir o facto do autor não desenvolver um guião prévio :D É preciso ter um pouco de coragem e ser um pouco louco. Sem duvida que os resultados devem ser diferentes das outras Bds que seguem o processo "normal" de criação.

    Fiquei bastante curioso com este volume...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís,
      Continua a haver BD deste tipo, mas não é traduzida em português...
      Na época em que Chlorophylle foi criado, na década de 1950 (e nas seguintes), eram muitos os autores que trabalhavam assim, nomeadamente aqueles que eram autores completos, escrevendo e desenhando.
      Alguns tinham uma ideia geral da história que iam contar, outros nem isso. O ritmo de trabalho também o proporcionava pois tinham de entregar 1 a 3 páginas por semana para a revista em que colaboravam. Alguns deles escreviam e/ou desenhavam em simultâneo mais do que uma série e podiam também fazer ilustrações, grafismos, histórias curtas...
      E se nalguns casos essa "falta de método" transparecia nas histórias (com alguma falta de ligação ao longo da narrativa ou finais abruptos, por exemplo), noutros o leitor nem dava conta...
      Claro que também havia outros que trabalhavam de forma mais "regrada", dependendo do método de cada um...
      Boas leituras... com ou sem guião prévio!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...