Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

08/06/2012

Les Tours de Bois-Maury #15 – Oeil de Ciel








  



Yves H. (argumento)
Hermann (desenho)
Glénat (França, 9 de Maio de 2012)
215 x 293 mm, 48 p., cor, cartonado
11,50 €


 
Resumo
1660, província do Yucatan, México.
Um grupo de homens, exaustos, feridos, famintos, avança pela floresta densa e luxuriante. São os poucos sobreviventes de uma expedição espanhola, dizimada pelos sucessivos ataques dos índios. Para lá de uma dúzia de solados, encontramos um padre e um francês, este último um descendente do senhor de Bois-Maury.
Enquanto os primeiros querem a todo o custo encontrar o caminho de regresso e o padre só pensa em impor a sua fé aos índios, Bois-Maury anseia por encontrar uma suposta cidade perdida, feita de ouro e jóias.

Desenvolvimento
Quase a atingir a centena de álbuns – número ainda mais impressionante se considerarmos a escola clássica de que é oriundo e a superior qualidade do seu traço – Hermann consegue mesmo assim surpreender-nos e deslumbrar-nos obra após obra.
Porque o seu traço – aos 74 anos! – se não está cada vez melhor – fasquia que é difícil de estabelecer – pelo menos continua ao mais alto nível, sendo notável a destreza com que alterna os ambientes em que se movem as suas personagens, de cenários urbanos para mundos pós-apocalípticos, do tempo medieval para a selva virgem em que se desenrola este Oeil de ciel.
Que Hermann retrata como (muito) poucos, num sublime jogo de luz e sombras, com estas últimas omnipresentes, cobrindo tudo e todos, brilhe o Sol no céu ou esteja a Lua no seu lugar, num mundo que a folhagem cerrada priva de luz directa. Mas, mesmo nessa penumbra constante, Hermann, regressado à cor directa, baseado numa gama limitada de tons verdes e cinzentos, consegue dar uma imensa legibilidade em qualquer momento do dia.
(Para próximo do final, num momento de pura magia, quando Bois-Maury chega às portas da cidade sonhada, quase nos cegar com o mesmo brilho intenso com que o protagonista se depara, em duas pranchas em que predominam os tons laranja).
Pela extensão do texto, pelos muitos elogios que já fiz, facilmente se percebe que – mais uma vez – a estrela desta obra é Hermann. O que não invalida que o seu filho, Yves H., tenha tido, pelo menos, a capacidade de criar uma história à medida do talento do pai.
Uma história simples e linear, é verdade, sem grandes surpresas, construída de forma competente, embora com personagens tipificadas e de comportamento espectável, mas que se lê com agrado. Uma história em que a avidez dos conquistadores brancos choca com a simplicidade dos indígenas, em que o absolutismo da fé católica, tantas vezes caindo no absurdo, encontra dificuldade em se impor e em que a avidez se sobrepõe ao bom senso e aos princípios. 

A reter
- Hermann. Hermann e a sua arte. Bela, magnífica, sublime, mesmo que, possivelmente, o papel e a impressão – a que nada há a apontar - não lhe façam justiça completa…


Menos conseguido
- A tipificação e alguma previsibilidade do argumento, que Hermann resgata com a sua arte.
- O país em que vivemos – com as editoras, leitores, distribuidores, livrarias, divulgadores que temos… - que foi capaz de desperdiçar a oportunidade – que gozou durante anos – de publicar em português, em simultâneo com a edição original, cada nova obra do mestre Hermann.



5 comentários:

  1. Viva Pedro, pelo que foi dado a ver excelentes desenhos e magnificas cores... Hermann parece-se como o nosso vinho do Porto :)
    Concordo contigo na indignação ao tentar perceber como é que se perde a oportunidade de editar a obra do Hermann em Portugal!! Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Verbal,
      Sem dúvida; o Hermann se não está melhor com a idade, pelo menos continua igualmente (muito) bem!
      A edição portuguesa de BD tem histórias e mistérios que davam um autêntico romance aos quadradinhos. E por vezes, nem tudo é o que parece...
      Boas leituras... do (velho) Hermann!

      Eliminar
  2. olá Pedro. Também gostei muito deste último Hermann! O homem fez bem em regressar à cor directa, pois o trabalho de cor deste álbum é notável! Bois-Maury é, para mim, a série mais consistente do Hermann e também aquela em que os argumentos do filho melhor funcionam. Esta história, na sua linearidade, é um bom exemplo.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. olá Pedro. Também gostei muito deste último Hermann! O homem fez bem em regressar à cor directa, pois o trabalho de cor deste álbum é notável! Bois-Maury é, para mim, a série mais consistente do Hermann e também aquela em que os argumentos do filho melhor funcionam. Esta história, na sua linearidade, é um bom exemplo.
    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, olá João Miguel! ;)
      Sim, o hermann actualmente é melhor em cor directa, apesar de eu ter gostado bastante do trabalho dele em "Une nuit de pleine lune": http://asleiturasdopedro.blogspot.pt/2011/10/une-nuit-de-pleine-lune.html
      A grande vantagem de Bois-Maury - em relação a Jeremiah, por exemplo - é a possibilidade de diversificação temática e de época que, curiosamente, acaba por lhe conferir a consistência que referes...
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...