Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

04/05/2012

O País dos Cágados












António Gomes Dalmeida (argumento)
Artur Correia (desenho)
Bertrand Editora (Portugal, Abril de 2012)
165 x 245 mm, 88 p., cor, cartonado
18,80 €




Esta é uma banda desenhada de traço divertido e enganadoramente infantil, que retrata em tom sarcástico a história recente de um país habitado por cágados, que avança a passo de tartaruga e tem estranhas semelhanças com Portugal. O relato inicia-se com o nascimento de um certo António de Oliveira Azar, o Cágado das Botas, e decorre até à actualidade, após a subida ao poder de Pedro Cágado Coelho e da sua submissão aos cágados (vampiros…) da troika, comandados pela Tartaruga Berkel e pelo Cágado Jacuzy...
Ao longo de quase uma centena de pranchas, os autores – parceiros de longa data em obras como  “História Alegre de Portugal”, “Super-Heróis da História de Portugal” ou “Romance da Raposa” – introduzem-nos também à Revolução dos Cágados levada a cabo pelos Cágados Capitães que depôs o Cágado Marítimo e o Cágado Morcela, famoso pelas suas conversas na televisão, e a personagens como o Cágado do Monóculo, o Cágado Colares, o Cágado Pinhal, o Cágado Ramalhe, o professor A. Cágado Silva ou o corredor Cágado Zé Sopras-te, sendo que qualquer semelhança entre eles e personagens políticas que bem conhecemos não são mera coincidência.
“O País dos Cágados” foi criado no final dos anos 1970 por Gomes Dalmeida e Artur Correia que, durante quase uma década procuraram sem sucesso editor, tendo optado por uma edição de autor, em 1989, que teve tiragem limitada e distribuição restrita e pode ser lida aqui.
Para a actual edição, os autores acrescentaram mais de duas dezenas de páginas novas, desenvolvendo o capítulo dedicado ao cágado A. De Oliveira Azar e prolongando o relato até aos nossos dias (menos aprofundado do que as épocas anteriores), pois o original terminava com a eleição presidencial ganha pelo Cágado Ramalhe. Para além disso, o álbum agora lançado pela Bertrand Editora tem uma nova capa e é colorido, enquanto que a edição original era a preto e branco.
Apesar do intervalo de tempo que decorreu entre as duas edições, tal facto não é visível graficamente na actual edição, pois Artur Correia conseguiu mimetizar o seu traço de então de forma assinalável.
É verdade que a opção – hoje menos compreensível - por cartuchos de texto sobre as imagens, que frequentemente também incluem balões de fala – torna menos ágil a leitura, pois uns e outras recorrentemente repetem-se, mas também se compreende que a intenção não era recriar completamente a obra mas sim dar-lhe continuidade e uma visibilidade que então não teve mas que indiscutivelmente merece.
Não só pelo traço de Artur Correia, muito expressivo e à vontade no estilo animalístico que prefere – e que já usara em “Romance daRaposa” -, afirmando-se mais uma vez como um dos grandes desenhadores portugueses, mas também pelo texto mordaz e corrosivo de Gomes Dalmeida que, claramente – mas pode ser doutra maneira? – não morre de amores pelos políticos portugueses, perdão, do país dos cágados!

(Versão revista e aumentada do texto publicado no Jornal de Notícias de 29 de Abril de 2012)

Nota
Artur Correia e António Gomes Dalmeida, os autores deste livro, estarão amanhã, sábado, 5 de Maio, às 16 horas, na Feira do Livro de Lisboa, para uma sessão de autógrafos.
E no dia 15 de Maio, pelas 18,30h, estarão no CNBDI, na Amadora, para uma apresentação do livro a cargo de João Miguel Lameiras.

1 comentário:

  1. Anónimo6/5/12 16:30

    Estas obras sao muito boas e divertidas!!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...