Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

25/04/2012

Vingadores: da BD para o cinema















O filme “Os Vingadores”, que estreia em Portugal hoje, transpõe para o grande ecrã um conceito que os quadradinhos há muito exploram: os grupos de super-heróis.
Geralmente criados para fazer face a ameaças de grande dimensão, partindo do princípio que o todo é maior do que a soma das partes, servem também para explorar afinidades e rivalidades entre os seus componentes.
O primeiro super-grupo da história foi a Liga da Justiça da América, criada pela DC Comics em 1960, que reunia Superman, Batman, Lanterna Verde, Mulher Maravilha, Flash, Aquaman e Caçador Marciano. A popularidade alcançada despertou na Marvel o desejo de ter uma estrutura idêntica, tendo Stan Lee sido encarregado de a imaginar. Como a editora não tinha então muitos super-heróis, a solução foi a criação do Quarteto Fantástico, que era mais uma super-família. Entretanto, com a criação do Hulk, Homem-Aranha, Homem de Ferro e outros super-heróis, três anos depois Lee e Jack Kirby puderam finalmente transpor o conceito inicial para o seu universo, nascendo assim os Vingadores, a maior aposta cinematográfica da Marvel este ano.
Curiosamente, a película dirigida por Joss Whedon, não segue nenhuma das muitas equipas criadas na banda desenhada ao longo de meio século, reunindo sob a capa dos Vingadores, na esteira das mais recentes adaptações cinematográficas, o Homem de Ferro (interpretado por Robert Downey Jr.), Capitão América (Chris Evans), Thor (Chris Hemsworth), Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), Hulk (Mark Ruffalo) e Viúva Negra (Scarlett Johansson) que juntos irão combater Loki, o meio-irmão de Thor.
Há, apesar de tudo, uma aproximação à formação original dos Vingadores criada por Lee e Kirby, que integrava o Homem de Ferro, Thor, Homem-Formiga, Vespa e Hulk, que, no entanto, duraria apenas o tempo de uma história, antecipando as muitas convulsões que os Vingadores tiveram nos quadradinhos, onde chegaram mesmo a conviver mais de quatro dezenas de super-heróis em simultâneo. Para os fãs de comics, possivelmente a fase mais memorável remonta aos anos 70, quando autores como Roy Thomas, neal Adams, George Pérez ou John Byrne estiveram à frente dos destinos dos Vingadores.
Nos últimos meses a Marvel lançou nos Estados Unidos diversos títulos dos Vingadores, entre os quais se destaca “Avengers Assemble” protagonizada pela mesma formação do filme e, nos últimos dias, disponibilizou gratuitamente no seu site, para leitura online, “Avengers: Heroes Arise #1” , uma banda desenhada escrita por Jeff Parker e desenhada por Manuel Garcia, resultante de uma parceria entre a Marvel Comics e a mítica marca de motos Harley-Davidson.

7 comentários:

  1. Caro Pedro:

    Este filme é muito mau! De fugir! Devia ser uma não notícia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anónimo,
      Ainda não vi o filme, portanto não poso opinar sobre ele. Das imagens e vídeos que conheço, não me apreceu inferior às mais recentes apostas cinematográficas de super-heróis.
      Claro que, nestes casos, tudo depende das expectativas que temos. As minhas, neste campo, geralmente, são comedidas...
      De qualquer forma, daí a passar-lhe ao lado, também me parece exagerado, Até porque ele apenas me serviu de pretexto para evocar as origens aos quadradinhos dos Vingadores...
      Boas leituras... e bons filmes!

      Eliminar
  2. O filme cumpre o propósito para que foi feito, entreter e dar a conhecer a novas gerações os heróis da Marvel. As pessoas não podem estar à espera de uma obra-prima, visto que os argumentos têm os limites definidos pela história dos personagens. Eu gostei bastante do filme apesar de algumas falhas óbvias na história, mas este é um mal comum a filmes com muitos personagens e que têm apenas 120 minutos para contar todo o enredo.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Lucaimura,
      Acho que sintetizaste bastante bem aquilo que eu também penso...
      Boas leituras!

      Eliminar
  3. E mais uma vez falhou o TIMING Duma edição em tpb tuga OU Zuca nas Livrarias,OBRIGADO PANINI E EDITORAS QUE LHES COMPRAM OS DIREITOS. :)

    ResponderEliminar
  4. Olá Optimus,
    Sim, é verdade. Repete-se uma situação que ao longo dos anos raramente teve excepções, mesmo quando os direitos eram mais fáceis de conseguir...
    Boas leituras!

    ResponderEliminar
  5. O filme, para o gênero, é dos melhores que já vi até hoje. Claro que para ir ver um filme destes nos dias em que estreou mundialmente(só estreia na américa daqui a duas semanas) é necessário já estar à espera do que se vai ver.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...