Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

06/03/2012

O Menino Triste - Punk Redux












João Mascarenhas
Qual Albatroz (Portugal, Novembro de 2011)
215 x 305 mm, 48 p., pb, cartonado
10,00 €



1.      Demasiado (?) elogiada por alguns, a autobiografia - também aos quadradinhos – tem que cumprir (pelo) menos um de dois pressupostos para ser interessante:
2.      O autor fez/viveu coisas interessantes ou…
3.      O autor conta o que viveu de forma interessante.
4.      (Há ainda – caso ideal! - a conjugação dos dois aspectos, quando o autor conta de forma interessante, algo interessante que fez/viveu).
5.      Em O Menino Triste – Punk Redux, João Mascarenhas recorda a sua primeira vista a Londres, no Verão de 1976, estava o movimento punk a dar os primeiros passos, o que faz dela uma BD que pode ser catalogada na categoria do autobiográfico…
6.      … mesmo que ao tom recordatório evidente, Mascarenhas acrescente igualmente momentos ficcionais e uma forte componente documental…
7.      … sendo que este último ponto transforma este álbum num caso único entre nós.
8.      A sua base, é evidente, são as memórias de Mascarenhas, aquilo que ele viveu durante um Verão em Londres…
9.      … mas o seu propósito vai mais além, pois pretende evocar as bases e princípios do movimento punk.
10. De forma empenhada e militante, é evidente – e não me parece que haja qualquer mal nisso – pois João Mascarenhas viveu de forma intensa, embora curta, aquele momento único, mas também com bastante lucidez, traçando uma imagem bastante nítida do que levou tantos jovens de então a desafiar – pela forma de vestir, sim, mas principalmente por palavras, atitudes e ideias – o conformismo, o cinzentismo, a falta de saídas, então existentes
11.  (E que em muitas questões não estão longe – ou estarão longe apenas pela dimensão mais global dos problemas – das que afectam os jovens europeus de hoje).
12.  A par disso, Mascarenhas, estabelece um paralelo com a situação – antagónica ou similar…? – que se vivia então em Portugal, na sequência da revolução de Abril.
13.  Se tudo isto já era suficiente para justificar a leitura desta nova vivência de O Menino Triste, Mascarenhas acrescenta-lhe mais um aspecto: a qualidade da sua narração.
14.  Em que, sem o desvirtuar, adequa o seu grafismo – geralmente limpo e claro, aqui mais duro, sujo e pesado – a linguagem utilizada (bem próxima do vernáculo que o punk utilizou) e a própria concepção das pranchas, com vinhetas de contornos recortados, por vezes atravessadas por alfinetes ou fora da esquadria que tradicionalmente os quadradinhos seguem.
15.  Para além disso, distribui pelo relato referências, homenagens e piscares de olho, não só ao punk e aos seus símbolos exteriores mais visíveis, mas também a Portugal, a músicos portugueses e à própria banda desenhada, que justificam uma segunda leitura, mais atenta a eles do que à narrativa em si.
16.  Posto isto, se este texto fica por aqui, após a leitura (ou antes dela?) de Punk Redux, aconselho vivamente a (re)leitura da entrevista com João  Mascarenhas ontem aqui publicada, como complemento útil – e interessante – deste - interessante - pedaço de vida que ele conta - de forma interessante.

Banda sonora aconselhada
Para acompanhar a leitura de O Menino Triste – Punk Redux (que pode ser encomendado aqui), João Mascarenhas, “sem ser exaustivo e sem qualquer ordem de preferência ou temporal”, tendo em conta as suas “preferências pessoais” e porque dão “uma visão daqueles tempos iniciais”, aconselha como banda sonora os seguintes temas:

- Anarchy in the U.K. – Sex Pistols
- God Save the Queen – Sex Pistols
- Should I stay or should I go – Clash
- Bored Teenagers – The Adverts
- How much longer – Alternative TV
- Pay to Cum – Bad Brains
- Boredom – Buzzcocks
- Forces of Victory – Linton Kwesi Johnson
- Hong Kong Garden – Siouxsie and the Banshees
- Denis – Blondie
- New rose – The Damned
- Do anything you wanna do – Eddy and the Hot Rods
- If the kids are united – Sham 69
- Blitzkrieg Bop – The Ramones
- Don’t worry about the government – Talking Heads


2 comentários:

  1. Anónimo6/3/12 14:30

    A música dos Ramones se chama "Blitzkrieg Bop" e não "Hey ho, let’s go".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo,
      Correcção efectuada, obrigado!
      Boas leituras... musicais!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...