Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

03/02/2012

Sábado dos meus amores













Marcello Quintanilha
Conrad Editora (Brasil, 2009)
215 x 280 mm, 64 p., cor, cartonado
R$ 39,00


Resumo
Este tomo compila seis histórias curtas: “Plena de Flôroi”, “De como Djalma Branco perdeu o amigo em dia de jogo”, “Dorso”, “Escola primária”, “Atualidade” e “A fuga de Zé Morcela”.

Desenvolvimento
Se em tempos, falar de banda desenhada brasileira (ou histórias em quadrinhos!) em Portugal, era sinónimo das revistas de pequeno formato da Turma da Mônica, Disney, Marvel e DC Comics – curiosamente Tex e as outras criações Bonelli, há décadas nas bancas portuguesas, ficaram sempre um tanto à margem desta identificação – hoje em dia, o mercado brasileiro de HQ está num outro (invejável) patamar e são muitos os criadores com propostas estimulantes que urge descobrir.
Porque, por mais (tristes e inúteis) acordos ortográficos que se façam, apesar da (distante?) proximidade que tantos apregoam, no que à BD diz respeito – a esta BD… - Portugal e Brasil continuam de costas (quase) completamente voltadas.
E enquanto nós persistimos neste desconhecimento, mercados como o norte-americano e (já também o) europeu vão desfrutando os autores brasileiros.
Entre eles está Marcello Quintanilha – a publicar actualmente na Le Lombard a série Sette balles pour Oxford, cuja autoria partilha com Montecarlo – que neste álbum explora as potencialidades da BD na crónica social e do quotidiano.
Sábado dos meus amores é um conjunto de narrativas curtas, pequenos apontamentos de um certo quotidiano (bem) brasileiro, a vários níveis, embora todos os protagonistas tenham um ponto em comum: são gente simples, desfavorecida, perdedores crónicos, habitantes dos subúrbios ou do interior, gente que está longe de tudo. Sejam eles o adepto (hiper-)supersticioso do magnífico “De como Djalma Branco perdeu o amigo em dia de jogo”, que só por si justifica a leitura do álbum, a jovem (ainda) analfabeta em busca do primeiro amor de “Escola primária”, o carregador que carrega o seu insuportável passado em “Dorso”, o operário iludido pelo destino em “Atualidade” ou o ajudante de circo com aspirações a (ajudante de) artista de “A fuga de Zé Morcela”.
Com eles, através deles, Quintanilha traça retratos humanos, sentidos, incómodos, que revelam degraus menores da escala da vida humana, que desconhecemos ou pensamos só existirem na ficção.
Fá-lo num tom neo-realista, com um traço rigoroso na composição de fundos e cenários, mas no qual se destacam, sempre, os (pobres) seres humanos, cujas histórias banais, comuns, (aparentemente) desinteressantes até, são autênticos documentários sociais, que Quintanilha partilha connosco.

A reter
- O incómodo que a maior parte destes contos provoca, por serem espelho das tão grandes diferenças que ainda existem a nível social. E humano.
- O tom a um tempo irónico mas profundamente doloroso de De como Djalma Branco perdeu o amigo em dia de jogo”.

Menos conseguido
- Mais um título que podia (devia?) estar – mas não está – disponível em Portugal.


4 comentários:

  1. parabéns pela resenha e, oxalá! não só Portugal e Brasil mas Europa e América do Sul compartilhem cada vez mais as artes de ótima qualidade q muitas vezes ficam oprimidas em seus nichos não por falta de leitores, mas de um poder de mercado consciente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Artman,
      Obrigado pelas suas palavras.
      Nós que as conhecenmos temos de fazer a nossa parte nessa divulgação!
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Esta última imagem está brutal!
    Muito boa.
    :)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Bongop!
      Sim, está muito forte! Pertence à história "De como Djalma Branco perdeu o amigo em dia de jogo", que está magnífica!
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...