Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

14/02/2012

Manuel Caldas

“Foster deveria ter posto fim ao Príncipe Valente”








De há uns anos a esta parte, falar do Príncipe Valente, implica falar de Manuel Caldas, português da Póvoa de Varzim e profundo conhecedor da obra de Foster, a quem dedicou a monografia Foster & Val.
Ao seu trabalho de artesão apaixonado deve-se a melhor edição a preto e branco alguma vez feita da obra de Foster, criada a partir das páginas dos jornais e das provas originais ainda existentes, o que implicou muitas horas de trabalho em cada prancha, eliminando a cor e restaurando o traço original, que o leitor actual redescobre em toda a sua limpidez e esplendor. Com seis volumes de grande formato publicados em Portugal e Espanha, com os primeiros 12 anos da saga (1937-1948), actualmente prepara para um editor do Uruguai o segundo dos três livros correspondentes a 1949-1954.
Por isso, o assinalar dos 75 anos do Príncipe Valente não ficaria completo sem uma conversa com ele.

As Leituras do Pedro - 75 anos depois, ainda se justifica ler o Príncipe Valente?
Manuel Caldas - “Prince Valiant” é o clássico dos clássicos da banda desenhada americana dos jornais. É obrigatório lê-lo. Se se entra na sua leitura por obrigação (a reverência que se deve ter para com os clássicos), logo se descobre o prazer.

ALP - Qual o seu melhor período? Porquê?
MC - Todo o período fosteriano (até 1971) é um monumento da BD. E entre o que Hal Foster fez, o melhor do melhor são os primeiros 7 anos. O melhor do melhor apenas, pois Foster foi sempre muito bom no que fez. Eu descobri a série aos meus 11 anos, precisamente nos últimos tempos do autor, e mesmo assim a paixão foi instantânea e avassaladora.

ALP - E qual a melhor prancha do Príncipe Valente?
MC - Certamente que por maioria de votos ganha a da batalha sobre a ponte de Dundorn (em cima), que toda a gente conhece e é assombrosa. Mas eu tenho uma preferência muito especial pela 681 (em baixo), que fala da grandeza do mar, da grandiosidade e da graciosidade dos seus habitantes, dos fenómenos da natureza, da família, da infância, do regresso à pátria e ao conforto do lar.

ALP - O que pensas do Príncipe Valente do John Cullen Murphy e do Gary Gianni?
MC - Nunca me preocupei com seguir o que fizeram e fazem os sucessores de Hal Foster, mas conheço uma grande parte. O suficiente para poder dizer que (pelo menos comparativamente – e a comparação é inevitável) o que fizeram, e vão fazendo, é mauzinho e cada vez pior. “Prince Valiant” nunca devia ter passado para as mãos deles. Nem de nenhum outro autor. Foster deveria ter-lhe posto um fim, como, de resto, chegara a planear anos antes.

ALP - Durante quantos anos “O Primeiro de Janeiro” publicou o Príncipe Valente?
MC - Desde 19 de Abril do ano em que nasci (1959) até 30 de Abril de 1995. Portanto, durante 36 anos.

ALP - Qual a tua opinião sobre essa edição?
MC - Nos anos 50, 60 e 70 um jornal português publicar BD a cores era um verdadeiro luxo. Hoje, claro, temos de reconhecer que era bastante mal impresso.

ALP - Quantas edições do Príncipe Valente tens?
MC - Tenho parte de muitas, de muitos países. A minha preocupação nunca foi ter colecções completas. Primeiro foi a demanda de todas as páginas realizadas por Hal Foster e depois foi a busca das melhores reproduções de cada uma delas. É que na mesma edição há sempre páginas bem reproduzidas (raramente muito bem) mas também (a maioria) páginas mal ou pessimamente impressas

ALP - Qual a melhor edição a cores do Príncipe Valente?
MC - Actualmente a que a Fantagraphics publica é bastante boa, mas deixa na boca um enorme amargo: podia facilmente ser quase perfeita, mas desperdiçou a oportunidade ao reproduzir deficientemente o fabuloso material de base que usa.

ALP - E a preto e branco?
MC - A preto e branco têm uma qualidade como antes nunca se alcançara os seis volumes com os primeiros 12 anos da série (1937-1948), publicados em Portugal entre 2005  e 2007 e em Espanha entre 2006 e 2008. A estes deve acrescentar-se um sétimo volume (1949-1950) publicado há poucos meses no Uruguai.

ALP - Tens algum feedback sobre essa edição uruguaia?
MC - Sim, pois estou sempre em contacto com o editor, Rafael Maria Carrocio, que me deu inteira liberdade para fazer a edição como eu entendesse. A qual, na prática, é a continuação da edição que comecei a fazer para Espanha.

ALP - Quando sai o próximo volume?
MC - O contrato assinado e pago diz que este ano têm de sair dois volumes. Infelizmente, às vezes não é humanamente possível cumprir os contratos…

ALP - Vai ficar só pelos três previstos?
MC - Não pode! Para publicar a preto e branco todo o Príncipe Valente fosteriano como Deus manda (e não com a má qualidade com que está a ser publicado em Portugal desde que eu não tenho interferência na edição) faltarão ainda 8 volumes, e mais 5 em tamanho menor, com o período de Foster e Murphy.

ALP - Existem muitos originais do Príncipe Valente do Foster?
MC - Nas mãos de coleccionadores existem bastantes, e na biblioteca americana à qual Foster deixou o seu espólio estão, se a memória do que li não me falha, umas três centenas.

ALP - Quanto podem valer?
MC - Não tanto como os do “Tintin”, mas, a um negociante do ramo, com um pouco de sorte, pode-se comprar um por pouco mais de 5 000 dólares. Nos últimos anos, o original mais caro vendido pela casa leiloeira Heritage ultrapassou os 33 000 dólares. Trata-se da página 1123.

ALP - Tens algum?
MC - Pode ser que venha a ter quando, na minha velhice, tiver liquidado ao banco o empréstimo da casa. Tentei há um ano e tal comprar uma vinheta (também se vendem vinhetas  soltas, pois Foster recortou muitos dos seus originais para oferecer partes deles aos admiradores), mas desisti quando ultrapassou os 150 dólares. Era uma vinheta com um sentido muito especial para mim: a única em que a palavra Portugal aparece, quando o barco em que viaja Valente faz escala no nosso país.


7 comentários:

  1. É extraordinário! A autêntica base da BD moderna!

    ResponderEliminar
  2. Felicitações pela excelente e oportuna entrevista ao notável editor Manuel Caldas.
    GL

    ResponderEliminar
  3. Excelente entrevista... sempre interessante ver o ponto de vista de um editor sobre a obra que publica. E é certamente quase unânime a eleição da prancha com a batalha sobre a ponte de Dundorn como das melhores da obra do Príncipe Valente.

    ResponderEliminar
  4. O Manuel Caldas devia ter o reconhecimento das entidades aqui da Póvoa...
    Pôs a Póvoa no mapa em termos de BD.

    ResponderEliminar
  5. Fantástico Pedro. Um presente extraordinário para os fãs do personagem, no aniversário dele!

    ResponderEliminar
  6. 5000 dólares por um original? Sim, é verdade, o que o Caldas não diz é que só se for dos anos 60, os últimos anos de Foster. Os da década anterior é muito difícil encontrá-los por menos do dobro. E é claro que quanto mais antigos e especiais, mais caros.

    ResponderEliminar
  7. A todos:
    Obrigado pela vossa leitura e pelos vossos comentários!
    Boas leituras... do Príncipe Valente, "segundo" Manuel Caldas!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...