Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

05/01/2012

Cavaleiro Andante nasceu há 60 anos


A 5 de Janeiro de 1952, um sábado, surgia pelas primeiras vez nas bancas portuguesas o “Cavaleiro Andante”, um dos mais importantes títulos do jornalismo infanto-juvenil português.
A nova publicação vinha retomar o “combate” com o Mundo de Aventuras, ocupando o lugar deixado vago pelo Diabrete uma semana antes, por isso, ao contrário do habitual, havia quase uma sucessão pacífica, com títulos e colaboradores a passarem de uma para a outra.
Era o caso de Fernando Bento (1910-2010) que trazia para a nova revista o seu estilo elegante e personalizado, assinando logo no número inaugural as primeiras páginas de Beau Geste, baseado no clássico de Percival C. Wren, uma das suas mais conseguidas criações, e também a capa, com um cavaleiro de armadura montado num fogoso corcel.
Essa mesma capa, que anunciava 20 páginas e 12 aventuras ilustradas pelo preço de 1$80, referia já dois dos aspectos que seriam recorrentes ao longo dos seus 10 anos de existência: separatas para construir (no caso, um jogo de “Oquei em patins” – sic!) e concursos, sendo oferecido aos leitores um rádio Philips por semana!
A revista distinguiu-se também pelas construções de armar e pelos suplementos que acolheu: “Pajem”, para os mais novos, “Andorinha”, para as meninas, “Desportos e “Bip-Bip”. Em paralelo, até 1963, lançou a colecção “Álbum do Cavaleiro Andante”, que teve 107 números publicados com histórias completas, antecipando uma moda que se viria a impor, bem como alguns números especiais e de Natal.
No número inaugural do Cavaleiro Andante, para além de Bento, o destaque ia para dois autores que marcariam a publicação: o italiano Franco Caprioli, autor de algumas das mais belas adaptações de clássicos da literatura, e Hergé com “Tim-Tim no templo do Sol”.
Ao longo dos anos, surgiriam outros nomes grandes das histórias aos quadradinhos europeias e norte-americanas: Macherot (Chlorophille), Jijé (Jerry Spring), Cuvelier (Corentin), Goscinny e Uderzo (Astérix, recuperado do entretanto extinto Foguetão) ou Tufts (Lance, rebaptizado “Flecha”, actualmente reeditado em álbum em Portugal), as estreias de Edgar P. Jacobs (Blake e Mortimer), Morris (Lucky Luke), François Craenhals, Bob de Moor, Jean Graton (com Michel Vaillant, aliás Miguel Gusmão!) ou Tibet, bem acompanhados pelos portugueses José Garcês, Artur Correia ou José Ruy.
Fruto da época que então se vivia e da pressão crescente da censura (e da auto-censura), a maior parte deste material vinha das melhore revistas católicas franco-belgas e italianas, obedecendo “a uma probidade e sensatez absolutas”, como escreve A. Dias de Deus em “Os Comics em Portugal”.
A sua selecção esteva a cargo de Adolfo Simões Müller (1909-1989), anteriormente responsável pelo Papagaio, Diabrete ou Foguetão que, ainda segundo Dias de Deus, soube conciliar “as preferências da juventude” com “os condicionamentos impostos pelas normas de educação dita formativa”.
O Cavaleiro Andante, que também se destacou pelo bom papel e impressão, terminaria no nº 556, a 25 de Agosto de 1962, registando uma mudança de formato no nº 327 e a crescente preferência por histórias completas na fase que corresponde ao seu declínio e fim.


Hoje em dia, uma colecção completa deste título, segundo alguns especialistas, poderá valer entre três e quatro mil euros, dependendo do seu estado e da pressa do comprador. Isto porque, quem tiver tempo e paciência poderá encontrar muitos dos números da revista em leilões online ou em feiras de usados. Como é habitual nestes casos, os números mais raros são os primeiros, mais antigos, os últimos, quando a tiragem era mais baixa, e os que correspondem à mudança de formato, pois nesses a tendência para se deteriorarem era maior. Por isso, não se surpreenda se lhe pedirem até 100 euros pelo Cavaleiro Andante nº 1 ou o dobro daquele valor pelo nº 556.

5 comentários:

  1. Pedro, publique paginas internas tambem, por favor! Teremos grande prazer em conhece-las!

    ResponderEliminar
  2. Anónimo6/1/12 02:52

    Felicito-o por (como, aliás, é seu hábito) ter dado destaque ao aniversário de mais uma importante revista portuguesa de BD, talvez até a mais popular dos anos 50, década que viu desaparecer o "Diabrete" e "O Mosquito" e surgir a forte concorrência entre o "Cavaleiro Andante" e o "Mundo de Aventuras". Tive a sorte de crescer e de me tornar um jovem adulto nessa época, além de ter podido acompanhar, número a número, o percurso e a evolução dessas duas revistas e de outras suas contemporâneas, mas de importância menos assinalável.
    Quanto ao "Cavaleiro Andante", gostaria que tivesse referido também, entre os artistas portugueses, a presença de E.T. Coelho, que (além de uma curta história de BD com o seu personagem "Falcão Negro", oriundo d'"O Mosquito") realizou algumas capas, nomeadamente para dois números especiais (uma das quais acompanha o seu artigo e em que é bem visível a assinatura do artista), e recheou o suplemento desportivo com ilustrações sobre ginástica infantil.
    Pelo "Cavaleiro Andante" passaram também José Félix, Fernandes Silva, José Manuel Soares, Vítor Péon, Baptista Mendes e José Pires, numa panóplia que demonstra como os desenhadores portugueses eram bem recebidos pelos leitores de uma revista com tantas e tão conceituadas séries estrangeiras.
    Um abraço do
    Jorge Magalhães

    ResponderEliminar
  3. Aí está putra revista mítica, da qual, infelizmente só conheci algumas histórias à posteriori. Por isso é sempre bom ler algumas curiosidades e imagens de obras (neste caso, revistas) que estarão sempre marcadas na História da BD em Portugal. Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Caro Bira:
    Pedido atendido!

    Caro Jorge Magalhães,
    Mais uma vez obrigado pela partilha!
    Num texto cuja base tinha limitações de espaço, tentei destacar o mais relevante...

    Caro João Amaral,
    O Cavaleiro Andante também não fez parte das minhas leituras de infância. Só mais tarde o conheci...

    A todos,
    Boas leituras... antigas e modernas!

    ResponderEliminar
  5. Giro

    Beijinhos
    André

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...