Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

09/06/2009

Silver Surfer – Requiem

Silver Surfer – Requiem
J. M. Straczynski (argumento)

Esad Ribic (desenho e cores)
BdMania (Portugal, Setembro 2008)
176 x 262 mm, 92 páginas, cor, capa cartonada


Resumo



Afectado por uma estranha doença, o Surfista Prateado recorre a Reed Richards para tentar encontrar uma cura.

Desenvolvimento
Contar e recontar origens e fins, tem sido um dos filões explorados ciclicamente pela Marvel, seja para dar nova roupagem a um herói, relançá-lo pelas mão do autor do momento, interligá-lo com a mega-saga em curso, obter retorno mediático ou relançar vendas…
No caso deste “Requiem”, no entanto, o fim do Surfista Prateado, faz todo o sentido. Desde logo porque ele é uma das personagens mais estranhas do universo Marvel, com uma grande carga mística e filosófica e divagar sobre o sentido da (sua) vida, como antecâmara da sua morte anunciada, na sequência de uma doença degenerativa incurável, surge como natural e lógico. Claro que só isso não seria suficiente, pois facilmente a história poderia descambar para o lamechas ou até ridículo. Mas Straczynski , argumentista talentoso e competente, que assinou o Homem-Aranha durante anos, consegue evitá-lo, com um argumento seguro, solidamente construído, ancorado em textos de apoio que vão conduzindo a narrativa, levantando questões e apresentando algumas respostas. E ao mesmo tempo, relembra o passado do herói, a sua chegada à Terra e a interacção com o Quarteto Fantástico. E consegue ainda criar momentos marcantes como o (belo) presente de Mary Jane, a resolução (óbvia mas necessária) de um conflito cósmico milenar e, claro está, todo o epílogo em si.
Por seu lado, Ribic, fez de cada vinheta uma autêntica pintura, reforçando com isso o clima dramático da trama, mas dotou-as também de movimento, expressividade e bons enquadramentos que permitem que a leitura vá fluindo ao rimo adequado. E a isto tudo há que acrescentar ainda o fantástico acabamento “metalizado” do protagonista, pleno de reflexos e cambiantes, que realça e torna mais traumática a sua degeneração final.

A reter
- O argumento sólido e contido de Straczynski
- O trabalho fabuloso de Ridic, no desenho e na cor.

Menos conseguido
- Editar (BD, literatura, etc.) pressupõe o desejo/a vontade de fazer o livro chegar ao maior número possível de leitores; para isso, é preciso que os livros cheguem às livrarias, dentro de um prazo razoável. Não é isso que tem acontecido com as (boas) edições da BdMania (e da Vitamina BD). E por muito que eu conheça os problemas da distribuição em Portugal e possa compreender (o que não quer dizer concordar) todas as condicionantes e razões para que tal aconteça, quem fica a perder é, primeiro, o leitor, e, depois, o editor.



(Versão revista e aumentada do texto publicado no suplemento In’ da revista NS, distribuída aos sábados com o Jornal de Notícias e o Diário de Notícias, de 6 de Junho de 2009)

1 comentário:

  1. Olá, só hoje é que descobri o blog. Gostei e já adicionei ao blogroll.

    Outra coisa que também gostei muito foi desta BD, para mim é uma das melhores que já li. É provavelmente o melhor trabalho do Strac.

    Quanto à distribuição da BdMania, parece-me que os livros ficam sempre pela loja durante um pequeno período antes de partirem para as livrarias, daí chegarem um pouco tarde.

    Fica bem

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...