Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

05/06/2020

Marvel: Ruinas

Consequências

Uma das grandes dificuldades para quem chega 'tarde' ao universo Marvel - ou DC Comics - é a dificuldade em aceitar a sua especificidade: os super-poderes, as relações entre super-heróis. E - talvez principalmente, embora poucas vezes citado - o facto de apesar de (quase) página sim, página não terem lugar combates épicos de proporções descomunais, eles não terem consequências gravosas para aqueles a que eles assistem ou que, simplesmente, vivem nos locais que lhes servem de cenários.
Edifícios destruídos, viaturas pelo ar, explosões, rajadas do mais variado tipo, geralmente saldam-se por alguns (poucos) destroços e algumas equimoses - ou nem isso! - nos intervenientes.
Marvels: Ruinas reúne quatro narrativas em tudo distintas mas que assentam (de um ponto de vista bastante lato) numa mesma base: a presença de super-heróis no mundo real, tem consequências para este.
Começo pelo fim, por The Wonder Years, protagonizado por uma fã de um super-herói que um dia a salvou. É uma história de paixão e obsessão, com a jovem a deixar tudo para seguir - à distância - o objecto da sua fixação, procurando - tentando forçar até... - um novo encontro. Nada de novo, se pensarmos bem, basta trocar o super-herói por um qualquer famosos de qualquer ramo - futebol, cinema, TV, banda desenhada até? - mas a curiosidade aqui - como nos restantes relatos - é compreender como se cruza aquela obsessão com o universo Marvel e como os autores relacionaram a sua ficção com alguns momentos icónicos da história dos super-heróis fda Casa das Ideias.
Da mesma série, Tales of the Marvels, vem - antes! - The Inner Demons centrado em sem-abrigo e (ex-)alcoólicos, numa narrativa mais dramática e intimista que prova como um ser humano normal e (até) um super-herói (como Namor) podem estabelecer laços - e superar-se através dos outros.
Continuando a recuar no livro, no terceiro relato no âmbito dos Tales of the Marvels, em Blockbuster a destruição - com vítimas mortais - de um prédio na sequência de um confronto entre o Surfista Prateado e Tyros, origina uma improvável e improcedente acção colectiva contra os super-seres e - em paralelo - numa busca por vingança por parte de alguém que perdeu os pais no confronto. A redenção no amor ou a destruição na sede vingadora que o consome são os dois caminhos disponíveis para o protagonista.
Para fechar - a abrir o livro! - da melhor forma, surge o tal Ruinas que lhe dá título, uma visão em negativo - tão que bem apropriado soa aqui este termo! - do outro Marvels, o de Kurt Busiek e Alex Ross, que mostrava um fotógrafo, Phil Sheldon (e os seus concidadãos) maravilhado(s) perante os super-seres que agora caminhavam na Terra, quase à imagem dos antigos deuses.
E se naquele caso, raios cósmicos, radiação gama ou uma aranha radioactiva tornavam os seres humanos melhores, diferentes, poderosos, dispostos a ajudar - autênticas maravilhas! - neste retorcido Ruinas as mesmíssimas causas têm efeitos e consequências completamente contrárias e desastrosas. Ou apenas e tão só os que seriam expectáveis se acontecessem realmente no nosso mundo. Mas o fotógrafo Phil Sheldon, persegue-os na mesma com a sua objectiva, tentando compreender porquê, ansiando descobrir a razão, procurando compreender o incompreensível duvidando daquilo em que já teve fé, arrastando-se quase literalmente de destino em destino, em busca de cada um dos afectados/infectados, ele próprio com a morte às portas, por razões que só mesmo no final descobriremos, como última machadada num universo que (já) nos maravilhou e preencheu.
Visão negativa e derrotista, apresentada de forma crua como só Warren Ellis sabe fazer e com uma belíssima - e ao mesmo tempo cinzenta e crua - interpretação gráfica por Cliff e Terese Nielsen a que pertencem as pranchas aqui ao lado, Ruinas, se não é um clássico da bibliografia super-heróica da Marvel - pela visão desagradável e auto-destrutiva que transmite desse universo - é uma obra que merece ser lida pela sua qualidade intrínseca e como contraponto do (maravilhoso) Marvels.

Marvel: Ruinas
Inclui: Ruins #1 e #2, Tales of the Marvels: Blockbuster, Inner Demons e Wonder Years #1 e #2
Warren Ellis, Mike Baron, Mariano Nicieza, Dan Abnett, Andy Lanning (argumento)
Cliff Nielsen, Terese Nielsen, Chris Moeller, Shawn Martinbrough, Bob Wakelin e Igor Kordey (desenho)
Panini Comics
Espanha, 14 de Maio de 2020
170 x 260 mm, 256 p., cor, capa dura
ISBN: 9788413343709
25,00 €

(capa disponibilizada pela Panini Comics; pranchas disponibilizadas pela Marvel; clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

3 comentários:

  1. Já li esta obra há uns anos mas as últimas páginas da obra principal estão muito mal desenhadas e destoam dos artistas iniciais, acho que pela mão do Moeller que já fez melhor mas que aqui não se esforçou nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Todos estes conceitos foram colocados Pelo Ellis no título Planetary, claro que com variantes para não ficar demasiado colado aos heróis em que se inspirou, na verdade o plot do Planetary não é um plot, é apenas uma desculpa para distorcer e trabalhar nos personagens lendários da Marvel e dos comics em geral, trazendo para uma abordagem mais terra a terra e realista, como acontece neste Ruins.

      Confesso que fiquei bastante desiludido com o Ruins por a arte não ser mais consistente.

      Os trabalhos extra que colocaram neste volume não têm nada a ver, apenas servem para fazer volume, em tom têm mais a ver com o Marvels original ou o Eye of the camera do que com o Ruins que tem um tom mais bizarro e perverso.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...