Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

26/07/2018

Jessica Jones: Pulsar

Humanizar os super-heróis


Um casal a tentar acertar a sua relação, os primeiros passos num novo emprego, uma gravidez inesperada - mas não indesejada - a preparação de um casamento.
Pode não parecer - não parece mesmo nada! - mas este é o resumo de um livro de super-heróis da Marvel. Humanizados, a um nível raramente atingido.
A protagonista é Jessica Jones, ex-super-heroína, ex-vingadora e ex-detective privada, a iniciar nova etapa como jornalista do Clarim Diário, mais exactamente no seu novo suplemento Pulsar, dedicado aos super-heróis.
O casal, é formado por ela e por Luke Cage. Com avanços e recuos. Com muitas dúvidas e algumas certezas. Apesar de tudo, apesar de todos, apesar de ambos saberem que não têm feitios fáceis e que o passado e o presente - a vida de super-heróis - paira como uma sombra. Entre ameaças concretas e conspirações difusas.
E o bebé, é o fruto dessa relação, o seu nascimento uma decisão a ser sopesada em função das premissas atrás descritas e de outras - comuns a todos nós.
Bendis consegue conciliar esta trama tão humana com o tradicional Universo Marvel. Insere a relação de Jessica e Luke - principal - no meio dos - secundários - habituais confrontos e ameaças que os Vingadores e os outros enfrentam. Encaixa os diversos momentos de Pulsar, naquilo que na Marvel se passava na época - e os leitores beneficiarão se tiverem esse conhecimento, mas o desfrutar da leitura é independente dele. A sua escrita solta leva o leitor, fá-lo familiarizar-se com o mundo da protagonista, partilhar as suas dúvidas, a certa altura põe-no a torcer para que tudo termine bem!
Num volume que reúne 14 comics originais, é curioso como - vamos deixar de fora o último nesta análise - é curioso, escrevia eu, como o grafismo vai evoluindo, acompanhando as mudanças de artistas, deixando sucessivamente o traço mais limpo, brilhante e expressivo da dupla Bagley/Hanna - mais próximo do registo tradicional da Marvel - até despontar no grafismo sujo, sombrio e indefinido de Gaydos - aquele que já conhecemos - devemos conhecer! - tão bem da etapa seguinte de Jessica: Alias.

Integrais
E de repente, mais aproximadamente numa mão cheia de anos, nem isso - como escrevi há pouco tempo, analisando o mercado sob outro prisma - passamos a ter edições integrais em Portugal. Este Pulsar, como The Ghost in the Shell, como The Fade Out, em belas edições - pesadas, consistentes, (muito) apetecíveis, a bom preço (para o número de páginas em causa) - que permitem ler de uma só vez obras - nalguns casos já clássicas - que na altura própria não chegaram até cá.
Dirão muitos - com razão - que faltam - e faltam ! - ainda - ainda! - integrais franco-belgas. Concordo, subscrevo, mas temo que não haja mercado para esse segmento. É isso que me diz a actual dinâmica editorial, mas espero estar enganado...

Jessica Jones: Pulsar
Edição integral
Reúne os comic originais Pulsar #1 a 9 e #11 a 14 e New Avengers Annual (2006)
Brian M. Bendis (argumento)
Mark Bagley, Michael Lark, Brent Anderson, Michael Gaydos e Olivier Coipel (desenho)
G. Floy
Portugal, Maio de 2018
175 x 260 mm, 360 p., cor, capa dura
25,00 €

(imagens disponibilizadas pela editora; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

10 comentários:

  1. Esses integrais franco-belgas é que eram muito bem vindos,... há muitas boas obras como por ex. o Elric, esta BD adapta muito bem o livro do Michael Moorcock, está perfeita. Como o mais certo é não sair por cá, tive que me virar para o importado, em inglês.

    ResponderEliminar
  2. Não quero parecer mal agradecido, gostei do Fade Out, e há um porradão de anos que compro Absolutes e Oversized editions mas...

    ... Jessica Jones já enjoa, Bendis e os seus balões já começam a fazer-me vomitar dentro da boca vezes demais, os personagens parecem idiotas a fazer muitas pausas entre as frases.

    Uma sugestão: editar o trabalho do Jeff Lemire e Andrea Sorrentino no Green Arrow, existe uma DeLuxe Edition com 460 páginas que ia bem nesta nova série de publicações especiais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma das consequências do actual estado do mercado é que não podemos comprar tudo... Temos de seleccionar. Ou, melhor, talvez, PODEMOS seleccionar.
      Boas leituras!

      Eliminar
    2. É bom termos essa opção sim, até há pouco tempo atrás tinhamos uma oferta muito reduzida.

      A minha perspectiva é mais naquela de serem edições tão boas que podiam estar vocacionadas para algo melhor, sei que é subjectivo mas algumas nem valem o papel onde são impressas e tendo em conta que as saídas são lentas...

      De certeza que este Alias terá muitos compradores apenas não faço parte deles.

      Eliminar
  3. O mercado também se constroi. GFloy, Goody, Levoir souberam construir o mercado Comic e prepará-lo para estas edições integrais. Nomeadamente, não falhando nas edições de séries, deixando-as a meio.

    Não sei se as actuais editoras de FB terão vontade ou capacidade de fazerem o mesmo e não me parece que os actuais adquirentes de BD em Portugal (que pela minha observação empírica estão a ir para velhos), estejam adquirentes de integrais FB. Porque provavelmente já têm os albuns originais ou mesmo os integrais em francês.

    Pessoalmente, em termos de comics em geral tenho alguns contras: detesto mudanças nas fisionomias das personagens SOBRETUDO dentro de um mesmo livro e começo a ficar de pé-atrás quando vejo 6 nomes como autores de uma obra...
    Ressalvo apenas que tenho os integrais ALIAS e PULSAR (na sua versão USA), adquiridos antes da "invasão" comic no mercado português. Ou seja, acho que são obras a comprar, ler e desfrutar, independentemente dos meus comentários :-)

    ResponderEliminar
  4. Não vou comprar também por essa razão, detesto mudanças de artistas num TPB.

    Então o Sandman era a puta da confusão, apenas comprei o Brief Lives, chateia-me à brava estar a ler uma história bem desenhada e depois ter de mamar com gatafunhos nojentos e primitivos, o Sandman é muito desequilibrado neste aspecto.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Nos Comics é muito comum a mudança de Desenhista a meio,e va la actualmente a muito menos desenhistas "tapa-buracos" que a 30 anos atras.Bendis ja tem meia dc na mao dele.Se querem obras de 1 semp re o mesmo desenhista que demora "séculos" como Hitch demorou nos nos Ultimates/Supremos (Salvat/Devir) ou Cassady em Planetary/X-men a desenhar estao a ler os livros errados ou melhor leiam só mini Series ai normalmente o desenhista é o mesmo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. O problema não é nem sempre quando o desenhista muda mas sim quando a arte muda de maneira drástica, tipo desenhos realistas misturados com cartoonescos.

      Imagina o Cassaday a ser substituído pelo Humberto Ramos ou pelo Kaare Andrews a meio da run do Planetary, fixe não é?

      Pessoalmente nem me importo de esperar mas uma mini-serie como dizes e eu digo também uma ARC tem de ter o mesmo desenhista, as ARCs vão acabar em TPBs não é?

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...