Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

19/02/2018

O Cemitério dos Esquecidos


Em nome dos ‘Zé Ninguém’






Policial negro de contornos indefinidos, este O Cemitério dos Esquecidos é - ajustadamente - protagonizado por John Doe - literalmente um ‘Zé Ninguém’ - que tenta pôr um nome nas lápides anónimas de um cemitério nova-iorquino.

O que o move, as razões da sua demanda, desse serviço que presta às (vítimas e às suas) famílias, são desconhecidos quando abrimos o livro e assim continuarão no final. Pelo meio, cruza-se com gente perigosa - marginais e forças da lei - e, desculpem a expressão, ‘põe nome aos bois’, sejam eles os desgraçados que a vida ávida despojou de tudo, até da sua identidade, ou aqueles que para isso contribuíram.
Narrativa com pressupostos originais, negra como o desenho carregado e sombrio de Azaceta, O Cemitério dos Esquecidos proporciona uma leitura curiosa, feita de uma só vez e, para além das suas qualidades intrínsecas, esbate - mais uma vez - as diferenças - que alguns vêem intransponíveis - entre as obras segundo as suas origens, leia-se aqui ‘comics americanos e BD franco-belga’.
É, apenas - ‘apenas’ - uma leitura singular aos quadradinhos, original e estimulante q.b., para proporcionar um momento agradável se lhe quisermos dedicar uma hora do nosso tempo.

O Cemitério dos Esquecidos
Mark Waid (argumento)
Paul Azaceta (desenho)
G. Floy
Portugal, Janeiro de 2018
170 x 260 mm, 104 p., cor, capa dura
12,00 €

(imagens disponibilizadas pela editora; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...