Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

20/11/2017

O Elixir da Eterna Juventude

Por causa do Sérgio






Por (pelo menos) três razões, este é, possivelmente, o álbum português mais importante deste ano - e um dos mais importantes dos últimos anos... E, curiosamente, nenhuma dessas razões tem a ver intrinsecamente com a obra em si.
A primeira destas razões é a sua visibilidade devido à íntima ligação com uma figura pública (re)conhecida, Sérgio Godinho, que lhe serve de tema, referência e protagonista.
A segunda, tem a ver com a sua distribuição com o jornal Público - numa experiência pioneira para obras de autores lusos - pela sua maior divulgação, pelo maior alcance de uma distribuição alargada e pelo preço mais favorável que ela permite. A distribuição simultânea em livraria - FNAC e Kingpin Books - com capa alternativa exclusiva, contribui igualmente para os dois aspectos agora apontados.
Finalmente - de forma colateral - este livro fez com que muitos membros de uma - duas? três? - gerações regressassem à(s) música(s) de Sérgio Godinho, por quem foram marcados. E terá levado outros leitores mais jovens a descobrirem um dos mais importantes cantautores nacionais.
Escrito isto, olhemos então para a obra em si.
A presença marcante de Sérgio Godinho ao longo de todo o álbum é incontornável. A relação do argumentista com ele, no passado pela importância da obra, no presente pela relação que estabeleceu durante a escrita, é basilar. Para mais, além do protagonismo, muitas das falas do livro são citações directas de versos das músicas de Godinho. E temos ainda a oportunidade de conhecer ‘velhos amigos’: Etelvina, Jeremias… para além da passagem pela obra de Jorge Palma e Zeca Afonso
A narrativa é, por isso, um belo passeio por momento e memórias, pela memória colectiva – mas também individual, que cada um vive à sua maneira - que temos do músico e da sua obra, nas suas variadas vertentes, e o relato de uma busca tanto externa, por diversos pontos do país, como de descoberta no interior de si próprio. O resultado - expectável a partir de certo ponto - fecha um círculo e reconduz à banda desenhada em si, revelando-se o final menos importante que o percurso.
Quanto ao lado gráfico - aquele que marca e leva muitas vezes à compra (ou não) de obras sem outras referências prévias - a leitura constata que este não é o trabalho mais brilhante de Osvaldo Medina. Pode ser uma afirmação com algo de injusto, mas a verdade é que o percurso do autor - e as vezes que já me surpreendeu e agradou (tanto) - colocou alta a fasquia, fazendo com que legitimamente esperasse mais. Sem se conseguir soltar na representação do protagonista, Medina utilizou um traço por vezes demasiado simplificado e sem os devidos volume e espessura.
As cores de Joel de Souza, demasiado vivas e fortes - que até se revelam indicadas a espaços, mas noutras sequências são desajustadas e até cansativas - não ajudam numa obra que até começa de forma bastante interessante com (um)a conseguida representação gráfica de “O Fugitivo” que encaminha o leitor do tema musical à banda desenhada em si, de forma bastante feliz.
Uma palavra final para a boa edição da Kingpin Books, em capa dura, papel consistente, bons acabamentos, legendagem cuidada e que só pecará pela falta de uma adenda final (mais completa) que identificasse - tanto para os leitores que as desconhecem como para os que agora as recordaram - personagens e canções citadas.

O Elixir da Eterna Juventude
Uma dança no mundo de Sérgio Godinho
História de Fernando Dordio
Desenhos de Osvaldo Medina
Kingpin Books/Público
Portugal, 26 de Outubro de 2017
202 x 276 mm, 88 p., cor, capa dura
ISBN: 978-989-8673-40-4
12,99 €

(imagens disponibilizadas pela editora; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

1 comentário:

  1. Pedro, antes de mais obrigado pelas palavras. Uma das questões que colocámos foi o que deveriamos fazer num final do livro - isto referindo-me ao que dizes no último parágrafo.
    Havia a ideia de colocarmos uma espécie de companion no final sobre músicas e referências (diria mesmo que podem ser mais que uma centena), mas isso seria uma desconstrução demasiado grande do próprio livro, tirando-lhe as camadas (que tem) e eu pensei numa experiência que tive com um filme que tem algumas semelhanças com este livro.
    Em 2000 fui ao cinema ver um filme chamado Magnolia - tinha 3h. Da primeira vez fiquei entusiasmado com tudo mas senti que não percebi tudo. A banda-sonora era fantástica e fui comprá-la - ouvi, ouvi e às tantas fui ver o filme ao cinema novamente. Queria tentar perceber tudo o que o filme me dizia. Andei pela internet a investigar e às tantas fiz a minha teoria e voltei a ver para ver se se confirmava.
    O Magnolia é uma obra-prima e foi escrito em redor das músicas de uma cantora americana que posteriormente fui ver 3 vezes ao vivo chamada Aimee Mann. Tem personagenss tiradas de músicas, tem concceitos tirados das músicas e tantas mais coisas.
    O ideial seria o livro ter um álbum, mas isso era impossível.
    Acho que o Sérgio merecia que houvesse algum maluco que fizesse o mesmo pelo livro que eu fiz pelo Magnolia e a Aimee Mann fosse de desconhecida à minha cantora favorita.

    Grande Abraço e se nunca viste o Magnolia, recomendo vivamente.
    Fernando

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...