Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

12/10/2017

O Diário de Anne Frank

Adaptações (I)





A adaptação de uma obra a outro suporte narrativo, para ser conseguida, implica -incontornavelmente - dois aspectos: fidelidade ao espírito do original e a sua adequação ao novo meio.
O Diário de Anne Frank (ontem) e Serviço Secreto: Kingsman (hoje) são dois exemplos recentes, embora díspares.
O Diário de Anne Frank é uma daquelas obras incontornáveis no panorama da literatura mundial, não só pelo seu lado emocional - Anne foi uma refugiada judia que viveu escondida durante cerca de 2 anos na Holanda, com a sua família e mais algumas pessoas, até ser descoberta pelos nazis e enviada para um campo de concentração, onde viria a falecer - mas também pela maturidade narrativa que ostenta - e que impressiona se tivermos em conta que a autora era uma adolescente de 13, 14 anos ao tempo da sua escrita.
Isso só dificultava a sua adaptação a um novo suporte, a banda desenhada. A agravá-la, ser uma iniciativa institucional e, principalmente, o registo de diário pessoal íntimo, que condicionava o dinamismo que uma banda desenhada exige.
O trabalho desenvolvido por Ari Folman e David Polonsky denota esses factores, com algum desequilíbrio no todo. Quando o desejo de manter o (rico) texto original prevaleceu - e há páginas que são só ilustradas, a leitura torna-se mais pesada e afasta-se do objectivo original de adaptar a BD O Diário de Anne Frank: aceder a leitores com poucos hábitos de leitura – embora esta premissa seja (altamente) questionável e a sua discussão nos pudesse levar muito longe…
Em claro contraste com aquela situação, quando se deixou prevalecer o lado gráfico, foram conseguidas páginas que chegam a ser brilhantes pelas soluções encontradas para traduzir em imagens pensamentos, alusões e os momentos em que Anne dá curso à sua imaginação.
Se me parece que a esta edição falta uma introdução que situe o leitor (hoje menos informado e conhecedor da realidade do que no tempo da publicação original do Diário…) no contexto narrativo da II Guerra Mundial em geral e da perseguição aos judeus levada a acaba pelos nazis em particular, a adaptação - fiel ao espírito original, mas com as condicionantes apontadas - tem de ser considerada conseguida e a leitura - fundamentalmente para quem desconhece o original - é claramente aconselhada.

O Diário de Anne Frank
Ari Folman (argumento)
David Polonsky (desenho)
Porto Editora
Portugal, Setembro de 2017
203 x 280 mm, 160 p., cor, capa dura
ISBN:978-972-0-04044-2
18,80 €

(clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

1 comentário:

  1. Estive hoje com ele na mão.... Decidi não comprar. Não pela obra, nem pela sua temática, mas simplesmente por ter muito para ler (não só bd) e...

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...