Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

16/08/2017

Valérian #3






O volume anterior de Valérian abria assim [na versão da Meribérica…]: “Negros espaços infinitos do universo, sóis escaldantes iluminando terras desconhecidas… quantos milhões de civilizações, quantos milhões e milhões de seres humanos podeis abrigar?...”
É este o verdadeiro espírito desta série.
Em Alflolol, planeta há séculos colonizado pela Terra e transformado em imensa máquina celeste de produção intensiva, onde se extrai minério, se plantam alimentos, se constroem naves espaciais, onde o trabalho é uma prioridade, um culto e um propósito, a chegada inesperada dos habitantes locais, que se criam extintos, vai perturbar - e de que maneira! - a ordem estabelecida e obrigar Valérian e (não) Laureline, a um intenso jogo diplomático.
A sede de liberdade face à seriedade do trabalho, a razão fundamentada no passado face à força dos detentores presentes, transportam para um planeta longínquo situações a que a Terra assistiu repetidas vezes, quase sempre - como em Alflolol? - com soluções pouco gratificantes e satisfatórias...
A História terrestre - ou histórias dessa História - vão ter também lugar num planeta sem nome, transformado em cemitério de naves espaciais e dominado por um misterioso senhor, que escraviza habitantes e recém-chegados, pondo-os a trabalhar para o seu prazer.
Mais uma vez, agora sem diplomacia, mais como revolucionários, Valérian e (desta vez) Laureline vão ter que dar o seu melhor no combate ao tirano e aos estranhos seres que o servem e controlam tudo. Sabendo, sempre, que o derrube de um tirano, tantas vezes faz despertar uns quantos candidatos ao lugar…
A par da definição - e do crescimento - da dupla de agentes espácio-temporais, se as analogias são evidentes e todos somos capazes de recordar situações similares ou mesmo aquelas que Christin (principalmente) e Meziéres tinham em mente no momento de criação destas histórias, o traço livre e barroco do desenhador e a imaginação transbordante da dupla de criadores consegue transmitir o deslumbramento que a imensidade do cosmos provoca e ver com fantásticas roupagens novas histórias, um sem número de vezes contadas.

Valérian #3
Bem-vindos a Alflolol / Os Pássaros do Mestre
Pierre Christin (texto)
Jean-Claude Mezières (desenho)
ASA/Público
Portugal, 11 de Agostos de 2017
220 x 280 mm, 104., cor, capa mole
8,90 €

(clicar nas imagens - as pranchas são do volume 2 da versão integral francesa - para as aproveitar em toda a sua extensão)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...