Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

06/08/2017

Leitura Nova: Memória da Crise





(prefácio disponibilizado pela editora)
“A memória é a consciência inserida no tempo”
Fernando Pessoa

O tema estava por todo o lado. Nas palavras de todos, nas preocupações de muitos, nas justificações de alguns, no sofrimento de demasiados.

O Daniel andava por cá. Conhecimento fortuito transformado em estágio com a Turbina e a Galeria Mundo Fantasma.
A oportunidade, que a “voz populi” atribui à situação que se vivia, criou-se.
Sempre nos pareceu interessante fazer cruzamentos de vontades e aproveitar recursos e por isso foi tão natural propor ao Daniel a formação deste “gabinete”.
Pedimos ao Marcos Mendes que desse uma “aula” inicial e desafiamos uma serie de autores (uns efectivos e experientes, outros potenciais e motivados) a pensar o tema para uma BD – curta necessariamente – que o Daniel foi convertendo – nos tempos livres do estágio – em imagens e pranchas.
Alguns dos convidados ficaram pelo caminho, mas cinco textos acabaram mesmo por se converter em cincos bandas desenhadas. Para quase todos foi praticamente a primeira experiência em BD: de um lado estavam um escritor consagrado, um jornalista experimentado, um dramaturgo/encenador vivido, uma médica entusiasta e uma quase antropóloga empenhada; do outro um jovem e talentoso desenhador/autor.
Passaram três anos desde o primeiro encontro. Hoje sente-se o desejo e o empenho colectivo para que “aquela” palavra se torne apenas numa recordação triste e longínqua. Assim sendo o “Gabinete” passaria a ser um assunto encerrado, e revisitar aqueles dias e aquelas temáticas seria inoportuno, despropositado, contraproducente, até. Nada mais errado.
Estas cinco crónicas relatam terramotos interiores que abalaram rotinas e que se transformaram em novas rotinas. Cada uma destas histórias ainda respira, está ainda nas ruas, nas casas, nos transportes, nos serviços e por isso o sentido artístico da experiência que foi esta criação ainda tem a mesma frescura inicial. Se não temos hoje lugar para um gabinete, temos por força que assegurar o espaço para a memória
Os balanços finais, os saldos de deve e haver próprios destes tempos não cabem aqui, mas precisarão de livros de assento para que se possam fazer. Que Memória da Crise seja então o novo título deste livro, e que ele possa contribuir para contar as estórias da nossa história.
Júlio Eme e Elisa Santos

 

Memória da Crise
Jorge Marmelo, Elisa Santos, Ricardo Alves, David Pontes e Margarida Mesquita (argumentos)
Daniel Casal (desenho)
Turbina
Portugal, Maio de 2017
165 x 210 mm, 40 p., pb, capa mole


(clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...