Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

25/05/2017

Leituras Novas: Corto Maltese x2

 
(nota informativa disponibilizada pela editora)

Depois de, no mês de Abril, termos apresentado obras de dois dos maiores autores de banda besenhada italianos (Manara e Serpieri), chegou agora a vez de lhe confirmar que a Arte de Autor passará a editar em Portugal a personagem Corto Maltese.
Esta personagem, considerada por alguns a criação maior do autor italiano Hugo Pratt (e que foi publicado pela primeira vez na revista Sgt Kirk a 10 de Julho de 1967) comemora este ano 50 anos.
Mas 2017 é, no que refere a Pratt e a Corto Maltese, um ano de dupla efeméride, pois, se Pratt fosse vivo, completaria no próximo dia 15 de Junho 90 anos.
Para comemorar este duplo evento, começaremos por publicar, em simultâneo, dois livros:
- A BALADA DO MAR SALGADO, em edição cartonada, a preto e branco com capa mate e verniz cartonado; esta edição, que conta com o prefácio de Umberto Eco e um caderno introdutório com aguarelas a cores, é limitada a 1000 exemplares.
- SOB O SOL DA MEIA NOITE, o último título assinado por Canales e Pellejero, o qual terá uma primeira edição a cores.
Os livros estarão disponíveis na próxima semana no nosso site e brevemente nas livrarias e na Feira do Livro de Lisboa.

A Balada do Mar Salgado
“Sou o Oceano Pacífico e sou o Maior. É assim que me chamam há já muito tempo, embora não seja verdade que eu seja sempre pacífico”. 
É com esta frase que começa A BALADA DO MAR SALGADO, a obra onde surge pela primeira vez Corto Maltese.
Estamos a 1 de Novembro de 1913, quando algures no Pacífico, entre o meridiano 155º e o paralelo 6º Sul, os primos Pandora e Cain Groovesnore são resgatados como únicos sobreviventes do naufrágio do navio “A Jovem de Amesterdão”.
O catamarã que os resgata, tripulado por nativos, é comandado por um estranho e rude homem branco, de longas barbas e olhar sombrio a quem chamam Rasputine. Este aceita manter os dois jovens a bordo pois, aparentando pertencer a famílias abastadas, acredita que poderão valer-lhe um avultado resgate.
Mas no seu trajecto rumo a Kaiserine, o catamarã fará outro estranho encontro com alguém à deriva. Trata-se de Corto Maltese, um velho conhecido de Rasputine e do Monge, amarrado a uma jangada e lançado ao mar por uma tripulação amotinada.
Corto é um marinheiro sem pátria, um aventureiro que não se fixa a um território nem defende outras ideologias a não ser as suas. O barco em que navegava encalhara há alguns anos na ilha do “monge”, e ele acabou por estabelecer uma ligação à enigmática figura encapuzada. Mas embora se movimente no seio de um grupo de piratas, Corto tem um código de conduta e de honra muito próprios, que por várias vezes o oporão a Rasputine.
Corto Maltese, considerado por alguns a criação maior do autor italiano Hugo Pratt, foi publicado pela primeira vez na revista Sgt. Kirk a 10 de Julho de 1967, comemorando este ano 50 anos.

  
Argumento e Desenho: Hugo Pratt
Edição: Cartonada
Número de páginas: 184
Impressão: Preto e branco com prefácio a cores
Data de Edição: Maio de 2017
Editor em Portugal: Arte de Autor
ISBN: 978-989-99674-6-5
PVP: 26,95 €

Sob o sol da meia noite
As novas aventuras de Corto Maltese
1915. Acabado de chegar ao Panamá acompanhado por Rasputine, Corto Maltese está novamente de partida! O destino é São Francisco e a sua Exposição Internacional onde espera encontrar um amigo de longa data, o escritor Jack London. Mas o autor de O Apelo da Selva dirige-se já para o México, a fim de efectuar uma reportagem sobre a revolução de Pancho Villa e ambos desencontram-se. Deixou no entanto uma mensagem pedindo a Corto que entregasse uma carta a uma certa Waka Yamada; esta, uma  antiga estrela de ‘saloon’ em Dawson City durante a corrida para o ouro, havia-se convertido em militante contra o tráfego de brancas no Alasca.
Em troca de lhe fazer chegar essa carta, London promete a Corto uma nova aventura... e um misterioso tesouro!
Corto Maltese inicia assim um longo périplo pelas vastas extensões geladas do Grande Norte, numa viagem pautada por inúmeros perigos e ameaças. Porque, sob o sol da meianoite, há outros predadores que rondam para além dos lobos e dos ursos…
Criada pelos espanhóis Juan Díaz Canales e Ruben Pellejero, a obra é a primeira história do personagem Corto Maltese escrita sem a participação de Hugo Pratt, e foi inicialmente publicada em França em Setembro de 2015.

  
Argumento: Juan Díaz Canales
Desenho: Rúben Pellejero
Edição: Cartonada
Número de páginas: 88
Impressão: Cor
Data de Edição: Maio de 2017
Editor em Portugal: Arte de Autor
ISBN: 978-989-99674-7-2
PVP: 18,65 €

(imagens disponibilizadas pela editora; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

4 comentários:

  1. Parabéns pela opção de editar Corto Maltese em preto e branco. Na minha opinião a arte de Hugo Pratt fica infinitamente mais bela em preto e branco do que a cores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, Eskorpiao77, até porque as obras foram concebidas a preto e branco.
      Mas podiam ter feito o mesmo com o livro do Canales e do Pellejero...
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Não querendo propriamente ser chato, digo que a frase "limitado a 1000 exemplares" quando estamos a falar de BD editada em Portugal é uma bocado... exagerada...

    De resto, editar ou reeditar um livro que os habituais comsumidores de BD em Portugal já devem ter numa ou em duas edições é arriscado. E com um preço um pouco "salgado" (piada seca, mas que cai bem :-), ainda mais arriscado é...

    Mas pronto, o risco faz parte da vida e da edição.
    Espero que corra bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pco69,
      Os "1000" exemplares funcionam em termos de comunicação... para quem não sabe, porque muitas das edições nacionais não chegam lá.
      Pratt é sempre Pratt e acredito que muita gente - basta que sejam 1000! -
      não tenha a "Balada..." que é uma obra magnífica e obrigatória.
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...