Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

02/04/2017

394.ª Tertúlia BD de Lisboa









(nota informativa disponibilizada pela organização)

4 de Abril de 2017
Convidada especial: Patrícia Furtado
R. Portas de santo Antão, nº 58
Lisboa
Patrícia Furtado nasceu no ano do Star Wars e cedo se assumiu como pequena nerdette com a mania que sabe tudo. Aprendeu a ler aos três anos, e pelos seis, já ostentava um belíssimo par de óculos e devorava livros como se fossem leite condensado à colher.
Desenhar era outro dos seus vícios, quer fosse nas toalhas dos restaurantes, quer fosse nos cadernos escolares, em vez dos apontamentos. Escreveu e desenhou a sua primeira banda desenhada para a disciplina de Educação Visual.
Depressa percebeu que, se conseguisse fazer da bonecada o seu trabalho, nunca teria realmente de trabalhar. Há um provérbio que fala disto, e foi inventado por um sábio chinês que nunca ouviu falar em reuniões, alterações e todos os outros papões do divertimento laboral, mas adiante.
Licenciou-se em Design de Comunicação na Faculdade de Belas Artes e começou de imediato a trabalhar num atelier de design em Lisboa, onde aprendeu tudo o que a faculdade se tinha esquecido de ensinar sobre o mundo real.
Em 2001, ganhou coragem e mudou-se para Londres, onde coleccionou uma impressionante pilha de cartas de rejeição de agências e estúdios de design. Acabou a trabalhar na loja de fotocópias onde ia regularmente imprimir os currículos.
Iniciou assim a sua carreira de freelancer, o modo de trabalho perfeito para uma nerdette pouco social que preza a liberdade de escolher a sua própria banda sonora, o conforto de trabalhar em pijama, e a paz de espírito de não ter de enfrentar o trânsito e o mau tempo todos os dias.
Depois de cinco anos, já com uma lista de clientes considerável, que incluía nomes como a PepsiCo e a Haagen Dazs, regressou a Lisboa, onde arranjou um cantinho num estúdio de gente criativa e talentosa, o The Lisbon Studio. Lentamente, foi abandonando o web-design e, passado um ano, a ilustração editorial dominava a sua agenda. Começou trabalhar regularmente para jornais e revistas, a fazer capas para o público infanto-juvenil (A colecção de “As Gémeas” de Enid Blyton, por exemplo), ilustrou os dois volumes da Caderneta de Cromos de Nuno Markl, bem como livros de Valter Hugo Mãe, de Alice Vieira e de Álvaro Magalhães entre muitos outros.
Em 2013, já com os seus dias no TLS para trás, escreveu e ilustrou um livro de receitas e pequenas histórias pessoais, o Café Patita.
Juntar a escrita às imagens continua a ser a sua ocupação de sonho, pelo que tenciona investir cada vez mais tempo na banda desenhada. Pública diariamente um cartoon em quarenta.eu e tem vários projectos e colaborações na calha, tanto de escrita como de desenho.

 
(imagens disponibilizadas pela organização; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...