Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

17/02/2017

Daredevil: Hardcore

Realidade irreal






E se os super-heróis fossem reais e pertencessem mesmo ao nosso mundo?
Este Daredevil, de Bendis (e Maleev), é uma das abordagens mais próximas daquele pressuposto.

Cena 1: a gravação de um episódio de uma telenovela.
Cena 3: duas amigas falam descontraidamente sobre o novo namorado de uma delas.
Cena 5: dois jovens, cegos, apaixonados, encontram-se para irem almoçar.
Pelo meio – os leitores atentos deram pela falta das cenas ‘pares’! – a (ir)realidade super-heróica – parte da sua (ir)realidade colateral, pelo menos, irrompe e começa a ocupar espaço narrativo.
Porque - e na continuação haverá aqui alguns spoilers, mesmo que difusos – a intérprete da telenovela é uma antiga assassina, porque Kingpin trabalha afincadamente para voltar a ocupar o seu espaço – pois, sei como soa… - começando por ajustar algumas contas e eliminar pontas soltas do passado – a que quer regressar.
A narrativa prossegue, em vários planos, no espaço e no tempo, que aos poucos se vão aproximando, ajustando, sobrepondo, para construir um relato multifacetado, em que (as) sombras do passado vão regressando a pouco e pouco para atormentarem o presente do homem que tanto responde como Matt Murdock como Daredvil.
Um homem que está – outra vez… - numa fase complicada da sua vida, tentando esconder a sua dupla identidade – hoje conhecida de toda a gente… - evitar o regresso dos inimigos do seu passado e – num regresso à realidade pura – (re)construir a sua vida. Se possível, tendo ao seu lado a mulher que (agora) ama, a – também cega –Milla Donovan.
Uma relação que a (ir)realidade (super-heróica) torna conturbada e muito perigosa, uma relação sobre a qual pesa – e de que forma! – o passado de Matt, em que se multiplicaram os cadáveres de ex-namoradas…
Forte, intenso, com constantes picos de tensão, Hardcore conta mais uma vez com o desenho de Alex Maleev, menos virtuoso do que esforçado, mas muito eficaz narrativamente e que, com a imprecisão dos fundos que realçam a acção em primeiro plano, os tons nebulosos e o omnipresente ‘nevoeiro gráfico’ contribui sobremaneira para que o todo encontre o seu ambiente adequado.
Adequado para contar a história do eterno regresso a que todos – quase todos – os comics de super-heróis se obrigam – mas também a história de um homem que, para lá do super-herói – antes dele…? – é apenas humano, quer o seu espaço particular, quer amar e viver tranquilamente e, por tudo isso, é capaz de explodir, de dizer ‘basta’, de ter uma reacção emocional, violenta e descontrolada (?), em novo regresso da (ir)realidade ao mundo real.

A edição norte-americana #50 de Daredevil – a última incluída neste volume – celebrou o número redondo através da participação de vários dos desenhadores que marcaram o percurso do herói cego ao longo dos anos: Gene Colan, Lee Weeks, Klaus Janson, John Romita… Cada um desenhou meia página (uma vinheta) da sequência final o que, se não deixa de ser curioso e interessante em termos de comparação de estilos, retira homogeneidade e, principalmente, algum do impacto que era pretendido.

Daredevil: Hardcore
Marvel Saga #24; Daredevil #8
Inclui Daredevil v2, #46-#50 (EUA)
Brian M. Bendis (argumento)
Alex Maleev (desenho)
Matt Holingsworth (cor)
Panini Comics
Espanha, Janeiro de 2017
175 x 267 mm, 136 p., cor, 15,00 €

(clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

8 comentários:

  1. Sabendo que o nome é traduzido para Portugal (Daredevil = Demolidor), há alguma razão específica de mater Deredevil no titulo da crónica?

    Como já referi algures ao longo dos meus comentários por aqui (acho eu), só comecei a acompanhar Comics (leia-se S.Herois), com as publicações da Levoir. Dos comics que fui lendo, o Demolidor revelou-se-me extremamente humano, o que me fez/faz ter um certo carinho por ele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pco69,
      A crónica é sobre a edição espanhola que eu li, logo mantenho o título original (da obra): Daredevil.
      E ele, o Daredevil ou Demolidor também é um dos heróis Marvel que eu prefiro.
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. BOAS,GOSTARIA DE SABER ONDE SE PODE ENCONTRAR ESTES LIVROS E SE ESTÃO EM ESPANHOL OU TRADUZIDOS EM PT?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Migfe, Chamusca Isabel,
      Esta edição é espanhola e chegou-me directamente do país vizinho através de um amigo...
      É possível comprá-la nas lojas habituais (FNAC, Amazon) mas se vier sozinha, os portes agravam bastante o preço...
      Boas leituras!

      Eliminar
  3. Boa tarde, tb agradeço a ajuda onde poderemos adquirir o livro Daredevil: Hardcore. Ja ando a algum tempo a procura e na fnac/ wook/ book depository ou mesmo iberlibro, quando existe os portes matam qualquer amante de BD. Mto obrigado

    ResponderEliminar
  4. Pode ser encontrado em PT-BR na Livraria Cultura sob o titulo "DEMOLIDOR - O REI DA COZINHA DO INFERNO"
    É uma edição que vale a pena

    ResponderEliminar
  5. Sim, também existe em edição brasileira, que pode ser adquirida através da Livraria Cultura (que nunca utilizei) ou da Casa da BD. O tempo de entrega e os portes variam de uma para outra.
    Boas leituras!

    ResponderEliminar
  6. MUITO OBRIGADO PELA AJUDA CUMP

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...