Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

28/01/2017

Orchidea

Lição de vida





A pretexto – desnecessário – do Grande Prémio de Angoulême concedido a Cosey, recupero aqui um texto sobre o álbum Orchidea, originalmente publicado no Jornal de Notícias de 9 de Agosto de 2003~.
Tudo começa num reencontro de três irmãos, após anos separados pela vida – pelas vidas – com o propósito de festejarem os 80 anos do pai. Cada um com os seus êxitos (superficiais, de aparência – que destacam para os outros verem?) e os seus fracassos e frustrações (bem mais reais, vividos, recalcados…).
O encontro e as horas que se seguem, numa longa viagem de carro – um espaço fechado que, por vezes, se torna quase claustrofóbico –(re)acende sonhos, memórias, tensões e desavenças mal resolvidas.
Na chegada ao lar onde o pai vive, quem preparou a surpresa é surpreendido.: o aniversariante desapareceu há alguns dias sem deixar rasto, mas algumas pontas soltas lançam-nos na pista do pai. A incerteza, a tensão da procura, avoluma, as tensões existentes, faz remexer nas feridas, provoca desespero e fá-los procurar algum alívio, algum conforto no desvendar das verdades escondidas que todos adivinhavam, num regresso (passageiro…) à fraternidade que um dia existiu.
Quando finalmente encontram o pai, descobrem nova surpresa ainda mais inesperada. E a reunião familiar traz-lhes uma lição merecida (que de algum modo fizeram por merecer): que a vida vale a pena quando se persegue os sonhos (quando se luta pelo amor).
É seta a história que nos conta o suíço Cosey, em Orchidea, uma nova aposta da Witloof *.
Uma história narrada com contenção e equilíbrio, que tem um desfecho que, não invalidando a lição implícita, a afasta dos contos de fadas e a aproxima mais da crueldade que a vida tantas vezes demonstra.

* Este texto foi escrito a propósito da então recente edição portuguesa da Witloof que, ainda há poucas semanas, aparecia à venda por 3,00 € nos hipermercados Jumbo.

Orchidea
Cosey
Witloof
Portugal, Abril de 2003
237 x 305 mm, 80 p., cor, capa dura

(pranchas da edição francesa; clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)



Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...