Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

09/01/2017

Mundo de Aventuras #46

Fim de Ciclo






Já o escrevi várias vezes. Cresci com o Mundo de Aventuras, li nele (quase) todo o género de banda desenhada; para o bem (muito) e mal (que quase não identifico) foi a minha escola no que aos quadradinhos diz respeito.
No dia 21 de Agosto de 1974, numas férias nas Caldas da Rainha, o meu pai ofereceu-me o meu primeiro MA, o #47 da II série (com histórias de Rip Kirby e Príncipe Valente). Foi um momento de crescimento, de descoberta, o passo que iria marcar toda a minha vida.
Semanas depois, já no Porto, onde então residia, já com diversos números coleccionados e lidos (e relidos), vi à venda, num quiosque perto de minha casa, de onde me chamou durante muitos dias, o número #46, um especial de aniversário da revista, com o dobro das páginas (e do preço) – que descobri durante a escrita deste texto, anunciava com um ano de antecedência o 26.º aniversário (que devia ser 25.º!). Não o pedi, mas ficou-me na memória, com o encanto que os números especiais então tinham - e tiveram ao longo de anos.
Depois, cruzei-me com ele várias vezes. O fascínio ficara, parado no tempo, como um daqueles desejos que existem mas que não nos sentimos impelidos a satisfazer, o que a par do mau estado das edições que fui encontrando ou do seu preço excessivo nunca me levaram a comprá-lo.
Há cerca de ano e meio – tinha começado meses antes, de forma desprendida, a completar a minha colecção do MA, pude adquirir os primeiros 53 números (os de formato grande) da II série do Mundo de Aventuras, entre os quais esse mítico (para mim) n.º 46.
A primeira ideia foi lê-lo de imediato, mas depois decidi ler uma revista por semana, à procura, talvez, do encanto e do maravilhoso que durante anos, com regularidade, alimentaram a minha sede de aventura e descoberta.
Por razões diversas essa periodicidade perdeu-se, a leitura tornou-se aleatória, mas finalmente, no passado mês de Dezembro, li a edição #45.
O #46 ficou então, desde logo, para abrir – aos quadradinhos – este novo ano, 2017.
Nele, reencontrei o (desgastado) Mandrake de Falk e Fredericks a braço com um supercomputador que queria dominar o mundo (!), o Tarzan (menor) de Bob Lubers, o elegante e divertido Robin dos Bosques de Jean Olivier e Eduardo Teixeira Coelho e (o primeiro episódio de) um western protagonizado por Teddy Ted (!), criado por uma dupla franco-andaluza: Jacques Kambouchner e Yves Roy (pseudónimo de Francisco Hidalgo), mas nesta altura já da responsabilidade de Roger Lécureux e Gérald Forton.
Foi,  como eu antecipadamente sabia,  uma leitura com muito de nostálgico e algum desencanto.  Porque hoje procuro outras leituras; por ver, agora, o que os meus olhos então ignoravam: o papel fraco,  a impressão  borratada, traduções apressadas, legendagem deficiente, cortes nas vinhetas...
Mas também  surpreendido pelas diferenças que reflectiam uma pujança editorial hoje desaparecida: a edição  semanal,  um poster central a cores, os milhares de exemplares impressos,  as muitas páginas de publicidade – 9 (nove) só  neste número, a dois bancos, Lego, Scheweppes, motorizadas... 
Uma leitura que foi,  acima de tudo, acredito,  um fechar de um ciclo algures dentro  de mim. Sem renegar nem esquecer tudo o que o Mundo  de Aventuras significou e o muito que reconheço que lhe devo...

Mundo de Aventuras #46
Vários autores
Agência Portuguesa de Revistas
Portugal, Agosto de 1974
A4, 64 p., pb, capa fina
Semanal, 10$00

(clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

5 comentários:

  1. Anónimo9/1/17 15:50

    O Teddy Ted já não era do Hidalgo, mas do Gérald Forton, com textos do Lecureux. E não era uma estreia, já tinha alguns episódios esporádicos no MA e no Selecções.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão, caro Anónimo.
      Foi induzido em erro pelo site que consultei mas já fiz a devida correcção no texto.
      Obrigado pela leitura atenta.
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Dúvida pertinente, quantos dos bancos que anunciaram nós já tivemos de resgatar desde então?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São estes Hunter: Banco do Alentejo e... Caixa Geral de Depósitos!
      Boas leituras!

      Eliminar
    2. Pelo menos o Banco do Alentejo (BA) não resgatamos..
      As voltas que isto dá: O BA passou para o Fonsecas e Burnay que depois foi adquirido pelo BPI que um dia destes passa a La Caixa....

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...