Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

26/01/2017

Leitura Nova: A Minha Casa Não Tem Dentro





(nota informativa disponibilizada pela editora)

A chave de A MINHA CASA NÃO TEM DENTRO encontra-se logo na frase que abre a novela (autobio) gráfica: «No dia 22 de Fevereiro de 2016 – por causa de uma veia que rebentou no meu estômago – morri e regressei à vida, num acontecimento que atravessou espaço e tempo separando e unindo em simultâneo. Descrevê-lo com desenhos fez parte dessa viagem.»
Esta narrativa faz-se numa sucessão vertiginosa de imagens (marcador sobre papel e aguarela) fortíssimas, duras, mas sobretudo oníricas, de sonho e pesadelo, que mergulham raízes no grande oceano do imaginário, dos mitos fundadores, das representações da morte, da infância, do desenho e da música, enfim, da criação. Há uma mão, a do cuidado e da ameaça, a que se ergue da ruína e a que faz sombra, a mão do lápis. E uma menina, uma Alice que descobre, por detrás de uma cortina de sangue, o peso da mão, uma cidade que se monta e o grande circo do espectáculo. Ninguém ficará indiferente a esta reflexão lúcida sobre a vida. E a morte.

ANTÓNIO JORGE GONÇALVES (Lisboa, 1964) é autor de diversas novelas gráficas entre as quais a trilogia Filipe Seems (com Nuno Artur Silva), A Arte Suprema e Rei (com Rui Zink), pelas quais foi premiado várias vezes no Festival Internacional de BD da Amadora. Fez direção visual em várias peças de teatro. Com o desenho digital em tempo real e a manipulação de objectos em retroprojector de transparências, tem criado diversas acções performativas com músicos, actores e bailarinos em Portugal, França, Alemanha, EUA, Japão e Itália. Criou o projecto Subway Life, desenhando pessoas sentadas nas carruagens do Metro em várias cidades do mundo. Publica semanalmente, desde 2003, cartoon político nas páginas do Inimigo Público (jornal Público): já foi distinguido diversas vezes no World Press
Cartoon e viu os seus desenhos serem publicados no Le Monde, Courrier Internacional e em várias colectâneas internacionais. Foi distinguido em 2014 com o Prémio Nacional de Ilustração (DGLB) pela obra Uma Escuridão Bonita (com Ondjaki).


A Minha Casa Não Tem Dentro
António Jorge Gonçalves
abysmo
Edição #53
Lisboa, Janeiro 2017
Miolo em papel Munken Pure de 130 g/m2
Guardas Pop Set de 120 g/m2.
Capa Forro da capa impresso a 4/0 cor, em Pop set de 130 g/m.
Armada em cartão de 2,5 mm.
ISBN 978-989-8688-42-2
17,5 x 24 cm
112 págs.
PVP 20 €

(imagens disponibilizadas pela editora; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...