Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

23/12/2016

Turma da Mata: Muralha







Para funcionarem plenamente, para ser possível uma fruição total, as variações de séries de sucesso por outros autores, necessitam da identificação do leitor com a criação original.
Na leitura de Turma da Mata: Muralha, recém-distribuído em Portugal, faltou-me esse factor de identificação.

Não que, ao longo dos anos, eu não tenha lido, aqui e ali, uma ou outra história da Turma da Mata original, criada, de forma sucessiva, por Maurício de Sousa, em meados dos anos 1960,  e recorrentemente revisitada desde então. Mas, com excepção do elefante Jotalhão e da formiga Rita Najura – e da sua surpreendente (não) relação - as memórias que conservo são muito difusas e confesso-me incapaz de traçar as linhas mestras da série antes de ter lido a pequena introdução que este livro inclui.
Por isso li - sem a tal identificação prévia - um relato que, seguindo o tom (ligeiramente) politizado da criação original, opõe as forças de um tirano a um grupo de revoltosos que querem repor o equilíbrio desfeito pela descoberta de uma mina de um novo e raro metal que, combinado com água, cria vapor que pode ser utilizado para fazer funcionar máquinas, naves voadoras, etc.
A acção nas sombras de intriguistas, a escravidão da população da mata para trabalhar na mina, o isolamento da cidade com um enorme muro (hoje tão na moda), heróis perdidos e outros em gestação, traições e ganância, vontade, união e paixão são as bases de uma aventura de tom épico, com visual de acordo, baseado em cores fortes e numa planificação multifacetada, assumidamente distanciada do humor de Maurício, como nenhuma outra até agora com excepção do Astronauta de Danilo Beyruth, em que o leitor (re)encontra, com roupagem e aspecto diversos mas, acredito eu, suficientemente inspirados nas personagens originais, Jotalhão, Rei Leonino, Rita Najura, Raposão, Tarugo, Luís Caxeiro, Coelho Caolho (e os seus 118 filhos, com papel determinante), Fuinha e Furão, como protagonistas de um relato sobre liberdade, autodeterminação, convivência, cooperação pelo bem comum e descoberta dos limites.


 

Turma da Mata: Muralha
Graphic MSP
Artur Fujita (argumento)
Roger Cruz (desenho)
Davi Calil (cor)
Panini Comics
Brasil, Setembro de 2015
200 x 280 mm, 82 p., cor, capa dura
9,00 € / R$ 31,90

(clicar nas imagens para as apreciar em toda a sua extensão)

5 comentários:

  1. Tó Coelho27/12/16 10:20

    Alguém já viu isto à venda na Grande Lisboa? Em caso positivo, onde? Obrigado.

    ResponderEliminar
  2. No Pinhal Novo chegaram dois(a papelaria ainda lá tem um)..o Laços é que, mais uma vez, nem apareceu.

    ResponderEliminar
  3. Tó Coelho28/12/16 23:18

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Tó Coelho29/12/16 12:12

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. Tó Coelho29/12/16 14:34

    Está resolvido. Comprado na tabacaria do Centro Comercial Dolce Vita Miraflores. Ficaram lá 2 exemplares, expostos no balcão! Pedro, depois faz aqui uma limpeza! Obrigado!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...