Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

07/12/2016

Hoje aconteceu-me uma coisa brutal










Ou, mais exactamente, um dia Daniel descobriu que tinha acordado com super-poderes: força, agilidade, factor de cura…

A seguir, ao mesmo tempo que os explora e aprende como os usar, descobre que existem outros como ele, com poderes diferentes, alguns dos quais o ajudarão, outros que o quererão usar.
A Daniel vai caber a suprema escolha: o que fazer com eles? Assumir a responsabilidade – como dizia (outr)o super-herói –, ignorá-los ou – pior? – usá-los em seu benefício? Em função da sua decisão – ou seja qual fosse ela? – vai descobrir que há sempre um preço a pagar e que por vezes ele é bem elevado. Ao contrário do que acontece nos comics que conhece e cita.
Conto dos nossos tempos, Hoje aconteceu-me uma coisa brutal transporta para as ruas de Barcelona da vizinha Espanha – uma característica de muitas das obra recentes da ‘historieta’ espanhola – os mitos dos super-heróis (e a sua herança enquanto parte da cultura pop que nós, Daniel e os seus amigos possuem) - mas com uma roupagem realista, acentuada pela interacção com alguns temas actuais como o desemprego, as lutas de gangues, o rapto de menores ou a violência doméstica, o que lhe confere uma dimensão renovada e, por isso, diferente.
Ao mesmo tempo, leva o leitor a colocar-se na pele do protagonista e a interrogar-se sobre o que faria no lugar dele – como usaria os super-poderes? o que tentaria corrigir? - enquanto é arrastado pela forma assertiva e dinâmica como o relato de El Torres e da dupla Julián López/Juan Albarrán corre sobre o papel.
Falta, no entanto, a Hoje aconteceu-me uma coisa brutal – no relato de El Torres e, acredito, no original de Daniel Estorach - uma reflexão (moral…?) mais acentuada sobre as consequências (nos outros) das acções levadas a cabo, uma vez acalmada a adrenalina, o que poderia ser mais um passo – marcante – no sublinhar do realismo pretendido.

 
El Torres e Julián López


El Torres e Julián López vão estar presentes na Comic Con Portugal, na Exponor, em Matosinhos, nos dias 8 a 11 de Dezembro, o que justifica esta edição por parte da própria empresa organizadora e confere ao evento uma nova dimensão.
Para além disso, abre nova porta – que aconselho a transpor - para a moderna banda desenhada espanhola, que, diga-se em abono da verdade, em tempos recentes tem estado bem representada nas nossas livrarias, através de obras como O Inverno do Desenhador e A casa (de Paco Roca), Presas Fáceis (Miguelanxo Prado), Eu, Assassino (Altarriba/Keko), A Arte de Voar/A Asa Quebrada (Altarriba/Kim) ou Como viaja a água (Juan Diaz Canales).

Hoje aconteceu-me uma coisa brutal
Baseado no romance de Daniel Estorach
El Torres (argumento)
Julián Lopez (desenho)
Julian Albarrán (arte-final)
Fran Gamboa (cor)
City – Convention in The Yard, lda
Portugal, Dezembro de 2016
170 x 260 mm, 136 p., capa dura, 19,75 €


(imagens da edição espanhola retiradas do blog original da obra; clicar nas imagens para as apreciar em toda a sua extensão)

1 comentário:

  1. Acabei agora mesmo de ler isto. Muito muito bom.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...