Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

05/12/2016

Daredevil: Bajos Fondos





Na introdução ao livro, Julián M. Clemente realça uma evidência da produção (mais ou menos) recente da Marvel: sagas de (relativamente) curta duração, que permitam a sua compilação em volumes autocontidos - erroneamente designados por ‘graphic novels’, mas isso é outra história…
Bajos Fondos, criação de Brian M. Bendis e Alex Maleev, autores que vão estar presentes na Comic Con Portugal nos 4 dias do evento, é exemplo disso.

Em Bajos Fondos estamos na época em que o Daily Globe acusou Matt Murdock de ser Daredevil e em que corre em tribunal um processo relacionado com este tema. Ao mesmo tempo, Kingpin afastou-se e por isso o seu território é disputado por diversos criminosos, entre os quais The Owl.
Sob o escrutínio dos media e da própria opinião pública, Matt Murdock tenta ao máximo afastar-se da máscara que oculta a sua identidade secreta, para evitar que alguém consiga comprovar o que para já são apenas suspeitas e pouco mais. Ao mesmo tempo, enquanto se isola (mais) dos que lhe são mais próximos, encontra-se (mais uma vez) dividido entre o que fazer: prosseguir como super-herói ou assumir a tempo integral a profissão de advogado.
A entrada casual na sua vida de Milla Donovan, uma jovem, também cega, a quem o Demolidor salva de ser atropelada e o posterior interesse romântico mútuo, acentuado pelas limitações/percepções extra que ambos possuem, vai ser um elemento extra a complicar a decisão.
Bendis, consegue conjugar todos estes aspectos com a vida dupla do protagonista – embora seja de realçar que Murdock está muito mais presente (mesmo quando ausente…) nas páginas do livro do que Daredevil… - numa narrativa de acção voluntariamente lenta, em que os aspectos psicológicos, as dúvidas e incertezas se sobrepõem quase sempre à acção pura expectável numa banda desenhada de super-heróis.
Maleev acentua o tom tenso e o clima de incerteza e angústia que Murdock vive, através do uso recorrente de fundos difusos, como que enevoados ou imprecisos, que dão mais peso às pessoas – tal como as percepções extraordinárias de Daredevil fazem – realçando, em cada caso, as suas características mais humanas: ambição, violência, dúvida, emoção…
E se é verdade que no final ficam – ficam sempre – algumas portas entreabertas – para garantir a continuidade narrativa que a publicação mensal em comic bbok exige e puxar o leitor para o volume seguinte – a verdade é que Bajos Fondos, tal como pretendido, pode ler-se como obra fechada, embora não seja mais do que um capítulo na existência angustiada de um dos mais humanos super-heróis Marvel.

 
Brian Michael Bendis e Alex Maleev


Daredevil #7: Bajos Fondos
Colecção Marvel Saga #19
Inclui Daredevil v2, #41-#45 (EUA)
Brian M. Bendis (argumento)
Alex Maleev (desenho)
Matt Holingsworth (cor)
Panini Comics
Espanha, Novembro de 2016
175 x 267 mm, 128 p., cor, 15,00 €

(clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

2 comentários:

  1. Run absolutamente fantastico seria muito bom se a g-floy o publicasse em portugal

    ResponderEliminar
  2. Essa fase do Demolidor escrita pelo Bendis e a outra pelo Ed. Brubaker são verdadeiras homenagens ao demolidor de Frank Miller.
    Com a série de Dardevil da Netflix podiam ser boas apostas.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...