Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

25/10/2016

Nas bancas: Marvel 1602





“O ano é 1602. À medida que a Era Isabelina se aproxima do fim, a Inglaterra é abalada por tempestades inexplicáveis e boatos de poderosos seres inumanos que observam a Terra. Por toda a Europa, heróis e vilões estranhamente familiares, incluindo Nick Fury, Homem-Aranha, X-Men e Doutor Destino, são arrastados para um tortuoso plano de traição e perfídia. Um plano que pode muito bem significar o fim do seu mundo.”

Quando foi anunciado que o Neil Gaiman ia escrever uma mini-série para a Marvel, os fãs ficaram loucos, a tentarem adivinhar o que ele iria escrever. Quem conhece a obra de Gaiman, sabe que os romances e a banda desenhada dele são frequentemente uma mistura inteligente de contos de fadas e mitologia, adicionados a personagens enigmáticas e pós-modernas, tudo somado a uma influência nitidamente gótica. Por esse motivo, muitos imaginariam que ele iria virar-se para as personagens sobrenaturais da Marvel - Doutor Estranho, Motoqueiro Fantasma, etc... Outros, no entanto, argumentaram que um dos primeiros trabalhos do autor na banda desenhada foi o revolucionário Miracleman, pelo que não seria de todo impossível que ele tivesse em vista super-heróis mais tradicionais.
Em vez disso, ele criou uma série que ninguém poderia ter antecipado, mesmo nos sonhos mais mirabolantes - uma narrativa singular, que só podia ter saído da mente fértil de Neil Gaiman: Marvel: 1602. A premissa parece bizarra, no mínimo. Reinventar o Universo Marvel e os seus principais protagonistas, como se tivessem existido no tempo da rainha Isabel I de Inglaterra. O que não terá pensado a redacção da Marvel quando leu a proposta pela primeira vez. Por sorte, o editor-chefe, Joe Quesada, teve o bom senso de confiar no instinto do escritor e deixou-o levar a ideia avante.
E, claro, o projecto teve um êxito enorme. O primeiro (dos oito) números da mini-série foi a revista de banda desenhada mais vendida nos EUA do mês em que foi lançada (Agosto de 2003) e foi distinguida com o Diamond Distributors Gem Award, como "Comic do Ano".

Neil Gaiman acrescenta que estava a começar a planear a sua série, quando ocorreram os ataques às torres Gémeas em Nova Iorque, no 11 de Setembro. E decidiu logo ali que não iria escrever nenhuma típica histórias de super-heróis, com lutas em cidades, prédios destruídos, e assim por diante. “Existem sítios mágicos no mundo em que sentimos que o passado está mesmo perto de nós, quase à distância de lhe tocar. Veneza é um desses sítios, e foi numa viagem a Veneza que a ideia para 1602 me veio muito de repente. Voltei de lá a saber exatamente a história que queria escrever.” Em termos artísticos, o desenhador Andy Kubert voltou à técnica que tão bem lhe tinha resultado em Wolverine: Origem, de desenhar a história com lápis, sem arte-final, mas acentuando o grafismo do traço, e foi o mesmo colorista, Richard Isanove, que aplicou as cores digitais directamente sobre esses lápis. O resultado é espantoso de clareza e beleza numa banda desenhada.

Os lucros da série foram usados por Gaiman e pela Marvel na sua longa luta legal para reconquistar os direitos de Miracleman, algo que finalmente aconteceu alguns anos mais tarde.

 

 

Colecção oficial de Graphic Novels Marvel
Volume 28: MARVEL 1602
Argumento de NEIL GAIMAN e arte de ANDY KUBERT.
Este volume reúne as edições 1 a 8 de The Marvel 1602
224 p., 12,90 €


(texto e imagens disponibilizados pela editora; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

2 comentários:

  1. Material hiper-subestimado do GAIman.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tendo em conta os teus comentarios anteriores em outros posts de obras do Gaiman, acho que não sabes o significado de ''subestimado'' :)

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...