Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

15/10/2016

Bob Dylan na banda desenhada









Ícone e referência cultural para mais que uma geração, a influência de Bob Dylan – surpreendentemente galardoado com o Prémio Nobel da Literatura de 2016 - também chegou aos autores de banda desenhada.
A mais evidente, data de 1992, quando a colecção Rock N’ Roll Comics, publicou uma biografia do músico em três partes, escrita por Jay Allen Sanford e desenhada por Brian Jones, hoje rara e muito procurada, mas já 20 anos antes, na campo da paródia, tinha surgido “The Ventures of Zimmerman”, com desenho de Neal Adams.
Em 2008, a Delcourt editou em França “Bob Dylan revisited”, com 13 canções ilustradas por autores europeus, como Lorenzo Mattotti, Dave McKean, Alfred, Smudja ou Zep.
Algumas das suas canções mais populares, como The Times They Are A-Changin', All Along The Watchtower, Wheels on fire ou Like a Rolling Stone, serviram repetidamente igualmente de título a histórias do Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, Avengers, X- Men, Swamp Thing...
O próprio Dylan foi retratado – a cantar e com Joan Baez – numa história do Batman e noutras é citado pela Catwoman ou pelo Joker. Dylan está presente também para lá dos comics de super-heróis, de edições independentes a séries mainstream como Archie, passando pela britânica Doctor Who que emulou numa das suas edições a capa do álbum The Freewheelin’ Bob Dylan e a MAD americana satirizou-o recorrentemente.
Em Watchmen, uma das bandas desenhadas mais marcantes dos anos 1980, recentemente editada pela Levoir, multiplicam-se as citações de Dylan pelo argumentista Alan Moore e na sua adaptação cinematográfica, dirigida por Zach Snyder, a longa introdução inicial é feita ao som de The Times They Are A-Changin'.
No entanto, uma das presenças mais significativas de Dylan nos quadradinhos, apesar da sua ausência visual, é uma tira dos Peanuts, datada de 1971, em que Linus refere que Dylan vai fazer 30 anos nesse mês, ao que Charlie Brown responde dizendo que “essa é a coisa mais depressiva” que já ouviu.



(versão revista e aumentada do texto publicado no Jornal de Notícias de 14 de Outubro de 2016; clicar nas imagens para as apreciar em toda a sua extensão; clicar no texto em cor diferente para saber mais sobre o que está destacado)

2 comentários:

  1. Até à ultima frase, estava estupefacto com a qualidade (e quantidade) de conhecimentos sobre o Bob Dylan em BD, que o Pedro Cleto demonstrava. Visto que para um post tão actual e tão completo, à partida não chegaria o omnipreente motor de busca mais usado pela humanidade...
    :-)

    O conhecer os locais onde obter informação, também é uma arte!
    Parabéns Pedro por este topic bem actual.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...