Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

26/09/2016

Le Journal de Tintin nasceu há 70 anos


A 26 de Setembro de 1946, uma Bélgica a recuperar ainda das feridas da II Guerra Mundial, via surgir uma nova publicação infanto-juvenil, Le Journal de Tintin, que se viria a tornar um marco na história da BD.
Editado pelas Éditions du Lombard - que assim completam também sete décadas - tinha uma versão em flamengo, Kuifje, e contava 12 páginas, embora apenas quatro tivessem BD, assinadas por Laudy, Cuvelier, Jacobs e Hergé.
Este último era o director artístico e o pilar da revista – ou não fosse ele o criador do herói que lhe dava nome e cujo sucesso a nova publicação aspirava emular -, mas para isso foi necessário que o editor, Raymond Leblanc, antigo membro da Resistência, lhe conseguisse uma autorização de trabalho, face às acusações de colaboracionismo que pendiam sobre ele, por ter publicado Tintin no Le Soir durante a ocupação da França pelos nazis.
Nesse n.º 1, Tintin retomava as aventuras no Templo do Sol, iniciadas naquele jornal, e estreava Corentin e Blake e Mortimer.
Apenas três meses decorridos, a revista crescia para 16 páginas e, dois anos mais tarde nascia a versão francesa, editada por Georges Dargaud. Quanto aos heróis, como os autores, foram-se multiplicando: Alix, Bob e Bobette, Chlorophylle, Ric Hochet, Modeste et Pompon, Michel Vaillant, Bernard Prince, Comanche, Luc Orient, Simon du Fleuve, Buddy Longway, Thorgal e muitos outros preencheram páginas e páginas de histórias aos quadradinhos recheadas de humor, aventura, ficção e fantasia, que fizeram sonhar sucessivas gerações ‘dos 7 aos 77 anos’ e balizaram durante décadas (um)a das forma(s) de narrar em BD.

Em Portugal, as histórias do Tintin belga começaram por aparecer no Diabrete (1951) e no Cavaleiro Andante (1952) e foram publicadas também pelo Zorro, Flecha, Titã, Foguetão, Pisca-Pisca, Mundo de Aventuras... Em 1968, nascia a revista Tintin portuguesa, que aliava ao melhor da sua congénere belga, as séries de sucesso da emergente e mais moderna Pilote. Foi assim que, pela primeira vez, numa única publicação se reuniram Tintin, Astérix e Lucky Luke, bem como Blake e Mortimer, Alix, Valérian, Blueberry ou Corto Maltese, que marcaram (também) muitos leitores portugueses.
Le Journal de Tintin terminaria em 1988 – seis anos depois da versão portuguesa – tendo ainda tentado reviver, sem grande sucesso, na Tintin Reporter e na Hello BéDé.
No mercado francófono, os 70 anos de Le Journal de Tintin ficam assinalados por uma edição especial da revista Paris-Match, La Saga du Journal Tintin, pelo livro La Grande Aventure du Journal Tintin que, em 777 (!) páginas, traça o percurso da publicação e publica histórias curtas ou pranchas dos heróis que por ela passaram e por uma emissão filatélica belga que reproduz cinco das capas da revista, desenhadas por alguns dos seus autores icónicos.

  

(versão revista e aumentada do texto publicado no Jornal de Notícias de 25 de Setembro de 2016; clicar nas imagens para as apreciar em toda a sua extensão)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...