Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

09/05/2016

Jonathan #2: E a montanha cantará para ti








Apenas segundo álbum da série, E a montanha cantará para ti parece marcar já o fim de um ciclo na vida do protagonista.
Ao mesmo tempo que nos oferece o primeiro de vários belos títulos da série.

Primeiro ‘som’ de uma banda desenhada, um livro, um filme…, o seu título pode assumir várias nuances: resumir a história, contar o seu fim, despertar a curiosidade ou, como no caso presente, de alguma forma reunir todas as anteriores num inegável tom poético.
Se na literatura portuguesa António Lobo Antunes é um dos ‘criadores de títulos’ que mais aprecio, Cosey, em Jonathan, em especial na primeira meia dúzia de volumes (quase todos) revela-se igualmente muito inspirado.
E a montanha cantará para ti é um belo exemplo pois, embora enigmático, desperta suficientemente a curiosidade do leitor e está também – sem que ele o saiba – a resumir (o tom de) um episódio que acentua o fascínio de Cosey pela cultura e pelas crenças tibetanas, reforça a sua fé no ser humano e no valor da amizade desinteressada e nos mostra como os pequenos grandes gestos, sendo muitas vezes guiados por percepções, suposições ou intuições ou provocados pelo acaso, o destino - ou o que lhe quiserem chamar… - podem fazer toda a diferença. No caso de Jonathan, reencontrar a sua paz interior, enterrar os fantasmas do passado e prepará-lo para partir para o desafio seguinte.
E a montanha cantará para ti tem, igualmente, outro aspecto importante, a tomada de posição – e de partido – por parte de Cosey em relação à questão político/militar que opunha a China e o Tibete – ou talvez fosse mais justo escrever ‘em que a China oprimia, esmagava o Tibete’, embora pudesse soar a uma escolha de campo da minha parte, a par de Jonathan e do seu criador…
Graficamente, as melhorias sentidas ao longo do primeiro álbum acentuam-se, mas ainda a caminho do traço mais seguro e realista que hoje (re)conhecemos a Cosey, embora a opção pelos ‘floreados orientais’ que enquadram as pranchas – e que, felizmente, não se repetiram - seja no mínimo questionável, para lá de, de alguma forma, parecerem confinar e limitar os cenários em que a acção decorre, nomeadamente quando tem lugar nas montanhas geladas dos Himalaias que poderiam beneficiar em termos de grandiosidade – mesmo que só nos olhos (e na mente) do leitor – das margens brancas do papel…

E a montanha cantará para ti
Colecção Jonathan #2
Cosey
ASA/Público
Portugal, 4 de Maio de 2016
220 x 290 mm, 48 p., cor, brochada com badanas
5,50 €

(clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

2 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...