Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

16/05/2016

Baby Blues #33: Não gritem!









É cada vez mais difícil escrever sobre cada nova compilação das tiras Baby Blues, sem me repetir.
Mas, após a leitura, é cada vez mais difícil deixar de o fazer…

Gritos é algo inevitável quando se fala de filhos.
Gritos das crianças. De alegria, de fúria, de discussão, de birra…
Gritos dos pais. De desespero – nunca lhes entregaram o manual de instruções nem ninguém os avisou que ia ser assim -, de surpresa, de imposição da autoridade…
E ‘gritos’ é o tema aglutinador de mais uma compilação de um ano de Baby Blues.
Um ano de publicação nos jornais, porque no livro o tempo, embora passe – os miúdos crescem e emancipam-se (cada vez mais), os pais engordam, perdem cabelo, envelhecem… (cada vez mais também…) -, passa mais devagar, o que permite que desfrutemos de mais gags por ‘minuto quadrado’!
O sintoma mais evidente dessa passagem do tempo é o crescimento da Wren, o que equivale a dizer que começa a andar e é fonte de (re)nov(ad)os gags, a solo ou com uma maior interacção com os irmãos ou progenitores.
Aliás, uma das marcas distintivas de Baby Blues é o funcionamento em ambiente (familiar) praticamente fechado, sendo raras as intervenções exteriores a esse núcleo, o que só abona a favor dos autores e da sua capacidade de renovar – na continuidade – a série.
Uma das inovações mais recentes, são os comentários que surgem sob muitas das tiras ou pranchas dominicais, em que Scott, Kirkman ou ambos, em interacção provocadora, referem a inspiração para esta ou aquela cena ou comentam a forma como ela resultou.



Baby Blues #33 – Não gritem!
Jerry Scott (argumento)
Rick Kirkman (desenho)
Bizâncio - Portugal, Abril de 2016
210 x 220 mm, 168 p, brochado com badanas
ISBN: 9789725305539
12,61 €

(clicar nas imagens para as apreciar em toda a sua extensão)

2 comentários:

  1. É o que se chama: Concordar em Absoluto.
    Acompaho a família desde a sua primeira publicação em Portugal.
    Que eu saiba, é a única em que as personagens envelhecem/crescem.
    Tenho muita curiosidade de saber se as crianças chegam à adolescência.Como será o comparativo Jeremy(zits) com o Hammie? Eu diria que o Hammie virá a ser um "Pierce".... :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pco69,
      Em Zits, também há envelhecimento do Jeremy, mas algo muito ligeiro e gradual.
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...