Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

08/04/2016

Une Mystérieuse Mélodie

ou comment Mickey rencontra Minnie

Embora siga o espírito vigente nos últimos anos, esta não deixará de ser, sem dúvida, uma das mais surpreendentes propostas editoriais de 2016.
Imaginez Mickey vu par… é uma colecção de BD recente da Glénat que tem a particularidade de reunir grandes autores franco-belgas e as mais conhecidas personagens Disney. À imagem, do que aconteceu em tempos recentes com Ric Hochet, Chlorophylle, Lucky Luke. Ou com os heróis de Maurício de Sousa na colecção Graphic MSP. Ou, em breve, nos EUA, com os heróis Hanna-Barbera

Iniciativa do próprio Jacques Glénat, tem por base a importância e a magia que Mickey, Donald, Patinhas e Pateta assumiram para várias gerações. O editor assume que “aprendeu a ler com Le Journal de Mickey” e com esta colecção quis oferecer aos autores que “também cresceram com Mickey e Donald” a oportunidade “de realizar o seu próprio sonho: pôr em cena os heróis da sua infância nas histórias que escreveram e desenharam especialmente para eles”.
Lançada no início de Março, Imaginez Mickey vu par… abriu com este Une Mystérieuse Mélodie, de Cosey, e com Mickey’s Craziest Adventures (que abordarei em breve), de Lewis Trondheim et Nicolas Keramidas, e o mínimo que se pode dizer é que tem tudo para ser um sucesso: a curiosidade do projecto, a popularidade dos heróis, o saber fazer dos autores.

O mais curioso em Une Mystérieuse Mélodie é a forma como Cosey se apoderou de Mickey, sem no entanto perder a sua marca, o seu registo gráfico, patente quer na capa, quer em diversos momentos da narrativa e nos tons cromáticos utilizados eem especial nos cenários campestres que, se apelam aos universos que ele próprio criou, também se ajustam à história semi-policial que desenvolveu para Mickey protagonizar e que se cruza com os matizes do acto criativo e um momento charneira na história da animação – Disney e não só – ao qual Mickey esteve também associado: a passagem do mudo para o sonoro.
A história, ambientada em 1927 – antes da estreia do próprio rato! - apresenta o protagonista como escritor de sucesso de filmes mudos – protagonizados por Pluto - a entrar em rota de colisão com o produtor que aspira a filmes mais ‘adultos’ à sombra da inspiração trágico-dramática de Shakespeare.
Uma troca acidental – ou o roubo? – entre o argumento escrito por Mickey e um outro pretensamente proveniente da mão do criador de Hamlet, uma misteriosa melodia – a do título! - que fica no ouvido e se escuta onde menos se espera, o vilão da ordem, o primeiro encontro entre Mickey e Minnie e as referências à ingenuidade, ao humor, à aventura e à musicalidade dos filmes Disney dos primórdios, são os elementos base de uma história que Cosey soube, como lhe é reconhecido, desenvolver de forma sustentada, com a vantagem extra, em relação à maioria das bandas desenhadas Disney, da maior extensão proporcionada pelas 64 páginas em formato álbum franco-belga.
Sem deslumbrar – não é esse o propósito da colecção - e não sendo especialmente dirigido aos leitores do Cosey ‘adulto’ que desenvolveu Jonathan ou relatos como Orchidée ou Em busca de Peter Pan, Une Mystérieuse Mélodie permite, para lá do cumprimento do sonho (so autor), que sem dúvida se reflecte na história, uma leitura agradável e descobrir pelo tempo de um álbum, de forma diferente, os mesmos Mickey, Minnie, Pateta de sempre!

Complemento: entrevista com Cosey

Une Mystérieuse Mélodie
ou comment Mickey rencontra Minnie
Colecção Mickey vu para…
Cosey
Glénat
França, Março de 2016
240 x 280, 64 p., cor, capa dura
17 €

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...