Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

02/04/2016

L’Homme qui tua Lucky Luke





Se, em termos europeus, Spirou (há muito) abriu a porta ao conceito ‘Uma história de… por…’ os anos – meses? - mais recentes, mostram-na escancarada – nas mais diferentes localizações geográficas - na exploração do conceito.
Em termos franco-belgas, na peugada de Ric Hochet, Chlorophylle e outros, surge agora a vez de Lucky Luke, revisitado por Matthieu Bonhomme entre a homenagem, a nostalgia e a inovação.

O Lucky Luke de Bonhomme apresenta-se mais solitário, mais taciturno e – num regresso a um passado já distante mas não esquecido – continua a ser fumador e, mais ainda, dependente da satisfação desse vício para manter a sua habitual fleuma e sangue-frio.
A história, depois da ‘perturbadora’ cena mostrada aqui à direita, arranca três dias antes com a chegada de Luke, numa noite de tempestade, a Froggy Town, uma miserável cidadezinha do Oeste como tantas que ele – ao longo de sete décadas - já visitou.
Precedido pela sua fama – pelo seu passado – Luke é idolatrado por parte os habitantes mas, também, coagido pelos três irmãos Bone que, à sombra da estrela que usa o menos (mentalmente) capaz do trio, e do patriarca da família, nervoso e provocador, de alguma forma dominam a cidade.
A investigação de um assalto a uma diligência que transportava o ouro dos mineiros e – ligado a ele – o futuro não só de todo o comércio local mas da própria cidade, levam-no em perseguição de um índio misterioso e, inexoravelmente, conduzi-lo-ão ao fatídico momento em que cairá para gáudio do ‘homem que matou Lukcy Luke’.
Bem escrito e desenvolvido, na linha dos grandes westerns tradicionais, cuja estrutura e modelo segue, L’Homme qui tua Lucky Luke, este é um relato de tom trágico e sombrio, atenuado aqui e ali por pequenos apontamentos de humor (desencantado), feito de aparências que se revelam – sucessivamente - enganadoras, que fica também marcado pelo magnífico traço de Bonhomme, desenvolto e ágil, por uma planificação tradicional mas extremamente legível – na linha da magnífica herança de Morris - pelas sucessivas referências e piscares de olho ao passado (aos quadradinhos) do protagonista e por alguns belos achados – como a falta (global…) de tabaco que, como uma verdadeira maldição, tanto afecta Luke e os cidadãos de Froggy Town …
E – acima de tudo, apesar de tudo – pelos dois co-protagonistas Doc Wednesday, um antigo pistoleiro, e o patriarca Bone, ambos de saúde precária e perseguidos pelos fantasmas do passado, que ilustram o fim – inexorável - dos que vive(ra)m à sombra das suas armas e reforçam a homenagem ao carácter impoluto, ímpar e exemplar de Lucky Luke e a certeza de que os heróis nunca morrem.

  

L’Homme qui tua Lucky Luke
Matthieu Bonhomme
Dargaud
França, 1 de Abril de 2016
235 x 310 mm, 64 p., cor, capa dura
EAN : 9782884713634
14,99 €

11 comentários:

  1. Anónimo2/4/16 16:26

    Será que vai ser editado por cá? Ou é esperar muito?

    Letrée

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deve ser esperar muito... ;(
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Paulo Pereira2/4/16 23:26

    Infelizmente as vezes o mercado só suporta as inumeras reedições de Asterix, Lucky e outros. Ainda continuo à espera da edição portuguesa do "ultimo" Corto Maltese. Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A edição de franco-belga em Portugal passa por um período de recessão como não tenho memória...
      Boas leituras!

      Eliminar
  3. Pois este livro parece-me brutal! Quanto ao Corto Maltese já desisti de esperar. Vivendo em Espanha, descobri a minha fonte de alimentação francofona em castelhano. Tudo o que sonharem. Ponent Mon, Trilita, Dolmen, Coeditum, Normal Editorial, etc. Filão de editoras com catálogos franco-belga incríveis. Em Portugal que ia pegando nisto era a ASA que infelizmente, desde a saída da MJP, morreu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei bastante deste Lucky Luke...
      Quanto a Espanha, apesar de ser aqui ao lado, não tem nada a ver connosco em termos de edição de BD...
      Boas leituras!

      Eliminar
  4. Paulo Pereira3/4/16 12:42

    Claro que sim, Diagosr1. Basta ir ao Ebay.es, até porque os portes são muito razoáveis.

    ResponderEliminar
  5. @Paulo Pereira: Amazon.es. Portes gratis :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulo Pereira3/4/16 23:54

      Caro diogosr1, tem toda a razão. O que eu queria dizer era Amazon.es. Cumprimentos Paulo Pereira

      Eliminar
  6. A Levoir criou um mercado. A G-Floy aproveitou a onda. A própria Levoir seguiu uma têncencia 'criada' pela própria ASA. Venda em banca. Se os leitores/compradores não vão à BD, é a BD que vai aos leitores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o importante é que haja oferta diversificada, para a BD poder chegar ao maior número possível de potenciais leitores!

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...