Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

28/03/2016

O poema morre










“Existe-se efemeramente por um instante antes de se desaparecer.”
in O poema morre

Reflexão sobre a guerra ou história simples dos amores e desilusões que um poeta viveu, O poema morre é uma obra densa e multifacetada, em que por vezes texto (elaborado e complexo de David Soares) e ilustração (de contornos imprecisos e muitas variações de cinza de Sónia Oliveira) caminham – na verdade, enganadoramente, parecem caminhar… – separados, negando a essência indivisível do conceito de banda desenhada, o registo (bem conseguido) em que a obra – pessimista… - se apresenta.
Segundo ela, no fundo, talvez a vida, cada vida – umas mais do que outras – não seja mais do que sucessivas batalhas de uma imensa guerra, duramente travada em nome de uns poucos momentos de felicidade efémera que, sabemos de antemão, antecedem sempre (novas) quedas, fracassos, derrotas de quem os viveu, mesmo que intensamente.
A não ser – a não ser? – que os feitos ou as obras lhe sobrevivam – e lhe permitam sobreviver… - como poemas inspirados soltos ao vento, mesmo que apenas por mais uns igualmente efémeros momentos.
Às memórias – contraditórias - de amores juvenis, primeiras experiências sexuais, oposição parental, peso das diferenças sociais e opressão dos iguais ou próximos, o protagonista – um poeta - tenta acrescentar momentos reais – iguais - do presente, mesmo que pagos, mesmo que, se não efémeros, com horas e minutos contados, numa tentativa fútil de reviver com a (desiludida) inválida de hoje, sem pernas nem braços, o que a (sonhadora) jovem de ontem lhe entreabriu.
Para descobrir que, afinal, nesta vida, “subindo, trepando, ascendendo, sempre subindo, trepando e ascendendo”, entremeando essa ascensão com recorrentes tombos, escorregadelas, trambolhões, a omnipotente guerra – a Guerra, todas as guerras e guerrinhas… - não deixa aspirar a mais do que “tentar não cair”…

(Pranchas recolhidas no blog de David Soares, Cadernos de Daath)

O poema morre
David Soares (argumento)
Sónia Oliveira (desenho)
Kingpin Books
Portugal, Outubro de 2015
197 x 250 mm, 68 p., pb + cinza, capa dura
13,99 €

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...