Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

17/03/2016

L’Été Diabolik







História de espionagem, relato autobiográfico ou policial bem urdido?
Ao som dos Procul Harum, sob o manto da guerra fria, o assassinato de Kennedy em pano de fundo e com a sombra de Diabolik a rondar, o Verão de 1967 foi inesquecível e marcou para sempre Antoine.

E é essa história que Antoine, então com 15 verdes anos, nos conta, na primeira pessoa, num livro que (20 anos) mais tarde escreverá, após longa e morosa investigação, num acto catártico de libertação ou, pelo menos, de ajuste de contas com o intrigante passado que sempre o assombrou e que naquele Verão o marcou a vários níveis, pelo fim da sua paixão platónica, pela sua primeira vez – no sexo e no LSD - e pela partida inopinada e definitiva do pai.
Tudo naquele estranho Verão, iniciado numas férias junto à praia, em que uma vitória num pequeno torneio de ténis local, desencadeou uma louca sucessão de acontecimentos: ameaças ao pai, uma perseguição rodoviária, um morto num despiste, a amizade com o seu adversário da final de ténis, a primeira experiência sexual – antes do amor – devido ao desencanto com a sua paixão platónica, os mistérios que pairavam em seu redor, as bandas desenhadas de Diabolik, a música, o LSD, o assassinato de Kennedy, a guerra fria…
Tudo reunido no livro, que leremos anos mais tarde, e cuja segunda parte funciona como o arrumar e encaixar de todas as peças de um intrincado puzzle por camadas que, uma vez dispostas e encaixadas, vão revelando histórias diferentes ou, melhor, nos vão encaminhando para uma longa, surpreendente e trágica história por detrás da(s) história(s) que pensávamos já conhecer.
Alexandre Clérisse ilustrou o relato num traço estilizado, delicado e (adequadamente) retro pop, trabalhado numa aconchegante cor directa. de tons quentes no arranque, mais sombrios no terço final que tudo esclarece. A narrativa, quase leve, divertida e desprendida, apesar das inúmeras referências, é de Thierry Smolderen que nos oferece um relato concebido de forma bem encadeada e coerente que nos vai iludindo com sucessivas mudanças de orientação, fazndo de L’Été Diabolik, afinal, simultaneamente, um belo relato autobiográfico, policial e de espionagem.

L’Été Diabolik
Thierry Smolderen (argumento)
Alexandre Clérisse (desenho)
Dargaud
França, 8 de Janeiro de 2016
210 x 280 mm, 168 p., cor, capa dura
EAN 9782205073454
21,00 €

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...