Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

22/03/2016

Júpiter #2




Se muitas – das muitas! – leituras que faço são leituras ‘seguras’, ‘garantidas pelo currículo dos autores ou por serem recomendadas por pessoas em cujos gostos confio, outras surgem quase por caso e, assim, continuo a ser recorrentemente surpreendido, muitas vezes por aquelas que menos apelativas eram.
Preconceitos? Alguns, possivelmente, embora tente ser o mais aberto possível em relação às diversificadas propostas que chegam até mim.

Neste contexto, confesso que o manga não é a minha praia. Fiquei deslumbrado, claro está, com Akira, pelo grafismo diferente, pelo dinamismo dos seus movimentos, pelo ritmo narrativo, pela diferença, em suma, que se abria então perante os meus olhos, descobri, depois grandes autores – Taniguci, Tezuka – e obras – Mother Sarah, Death Note – de cuja leitura desfrutei intensamente mas, a verdade é que globalmente – se tal se pode escrever… – não me tornei fã de manga nem sequer leitor regular do género… Mesmo se, durante alguns anos, procurei ler o mais possível, propostas variadas, temáticas díspares, autores diversificados…
Percebo, no entanto, a atracção que exerce sobre gerações mais jovens - porque cresceram a ver animés na televisão? – enquanto género narrativo de eleição.
Por tudo isto – preconceitos, reitero – não tinha grandes expectativas em relação a este Júpiter, do português Ricardo Lopes.
A sua leitura, no entanto, mostrou-me – mais uma vez - como estava enganado. Não pelo desenho com desequilíbrios evidentes e demasiado incipiente ainda na representação da figura humana. Mas, fundamentalmente, pelo ritmo narrativo de que este segundo tomo – desconheço o primeiro - está dotado, pela boa planificação, solta e diversificada, e pelo bom uso dos diálogos, certeiros, suficientes, sem excessos.
Desta forma, a história de Miguel, que descobriu ser descendente dos magos de Fulgur e partiu para o Templo do Fogo para desenvolver os seus poderes, onde é atacado por um mago misterioso, não sendo propriamente original – segue os cânones do género… - recebe uma roupagem consistente e o ritmo narrativo certos, conseguindo a atenção do leitor e cumprir o seu propósito de diversão, enquanto sinaliza um autor com potencial que – conseguindo crescer graficamente ou arranjando um desenhador à altura - pode vir a tornar-se interessante.

Júpiter #2
Ricardo Lopes
Escorpião Azul
Portugal, Outubro de 2015
155 x 230 mm, 96 p., pb+cinza
capa mole com badanas
10,00 €

(Imagens recolhidas no site OtakuPt)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...