Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

04/03/2016

Chlorophylle et Le monstre des trois sources





Se Spirou é o exemplo maior e mais antigo da retoma de heróis por outros autores – nalguns casos de forma notável – este é um caminho cada vez mais explorado na BD franco-belga. Chlorophylle, de que é lançado hoje no mercado francófono Le monstre des trois sources, depois de Embrouilles a Coquefredouille, de Zidrou e Godi, há cerca de um ano, é o exemplo mais recente.

E, enquanto aguardamos pelo muito prometedor L’homme qui tua Lucky Luke, de Mathieu Bonhomme, que chega no início de Abril, exemplos similares não faltam noutros contextos geográficos e criativos, das Graphic MSP que têm revitalizado as personagens de Maurício de Sousa, ao regresso próximo dos heróis Hanna-Barbera aos quadradinhos.
No caso presente, depois de uma enigmática cena inicial que afectará de forma profunda o decorrer da história, tudo começa como sempre: a tranquilidade do pequeno bosque onde vivem Chlorophylle, Minimum e os seus amigos, sofre um ligeiro desvio pela chegada da bela Particule, cansada da vida citadina.
Um – provocador? – banho matinal da ratinha no pequeno lago vai dar a volta ao coração e à cabeça de Minimum que passa a viver em função do tempo que pode partilhar com ela. Quando Chlorophylle, sentindo a falta do amigo – e das consequentes aventuras – tenta que tudo volte ao normal, o desaparecimento de Particule, ao que tudo indica raptada por um violento predador, vai – finalmente! – arrastar os companheiros de sempre para mais uma aventura.
Ao espírito ingénuo, agradável e ternurento que existia no Chlorophylle de Macherot – pese embora a componente de crítica social e o retrato da sociedade humana que compunha com o seu universo animalesco - Hausman adiciona um visual a um tempo hiper-realista mas também grotesco que corta visceralmente com o traço arredondado original e confere um toque de realismo duro que contrasta (ou talvez nem tanto…) com o tom geral da narrativa, pese embora alguns desvios introduzidos por Cornette, nem sempre subtis, que alteram sucessivamente a linha original e a vão transformar mais numa tragédia do que numa simples aventura, com um final em parte ‘emprestado’ de um clássico do cinema, perfeitamente conseguido e que acentua a velha máxima de ‘que nem tudo o que parece, é’.
Dessa forma, a procura de Particule, raptada por um texugo, mentalmente afectado e transformado em “monstro” por um atropelamento (mas não só…) assume contornos inabituais em Chlorophylle e, introduz temáticas bem mais sérias tornando, ao mesmo tempo, a leitura mais estimulante, embora, inevitavelmente, isso venha a chocar e dividir os leitores.
Pelo tempo de um álbum, a via (naturalmente) seguida por Cornette e Hausman revela-se bastante interessante, mantendo o espírito da série, aproveitando bem a lenda do pequeno lago, recuperando personagens menos utilizadas e acrescentando o seu toque gráfico (bem) pessoal e uma temática diferente.

Chlorophylle et Le monstre des trois sources
Une aventure de Chlorophylle par
Cornette (argumento)
Hausman (desenho)
Le Lombard
Bélgica, 4 de Março de 2016
241 x 318 mm, 48 p., cor, cartonado
EAN 9782803637065
14,99 €

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...