Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

22/02/2016

Batman: Corte das Corujas/Cidade das Corujas

Super-Heróis DC #3 e $4



O (longo) arco compilado nestes dois volumes corresponde ao (re)início de Batman nos Novos 52, a mais recente (até breve) reorganização do universo da DC Comics e aquela que (ainda) está em vigor.
E, na verdade, o mínimo que se pode dizer é que foi um bom reinício e um dos títulos mais aconselháveis da colecção Super-Heróis DC, da Levoir, em curso com o jornal Público às quintas-feiras.

Corte das Corujas funciona quase como uma súmula do percurso de Batman/Bruce Wayne ao longo das décadas: salienta o seu lado de detective, reforça o seu passado e a ligação de gerações da família Wayne à cidade de Gotham, mostra a visão de Bruce para o futuro da sua metrópole e acentua o lado negro e violento do homem-morcego, trazendo-o para a forma de narrar e estar na banda desenhada (também) de super-heróis no início do século XXI.
A par disso, inventa um novo e interessante vilão que – como Bruce Wayne/Batman, se move com igual à vontade no mundo financeiro e social da cidade e no seu submundo – e que personifica e expande uma ameaça global mais séria, consubstanciada numa associação ancestral e ultra-secreta auto-intitulada Corte das Corujas que há décadas existe na sombra e agora emerge com o objectivo de assumir o domínio total de Gotham.
Esta designação – que tem por ponto de partida uma canção infantil – que nos vai sendo ‘cantada’ ao longo do relato - não é inocente e adiciona um lado lendário mas também metafórico à narrativa, renovando o combate secular entre o(s) morcego(s) e os seus principais predadores, as corujas, associando mesmo esse combate ancestral – agora revivido nas sombras de Gotham – à origem da cidade.
Esta, é revisitada – e também – reconstruída, à luz dos novos tempos, o que possibilita em simultâneo uma identificação e uma (re)descoberta por parte do leitor, que se sente, assim, ao mesmo tempo  confortado e desafiado.


Scott Snyder constrói uma narrativa forte e envolvente, assente no intercalar de flashbacks com a acção actual, com avanços e recuos cujo conjunto vai ao poucos fornecendo ao leitor a informação necessária para avançar, mas sempre com dados suficientes para ele se poder antecipar aos protagonistas. O tom global de mistério e suspense é condimentado com doses generosas de confrontos muito violentos que expõem o lado mais negro do justiceiro, o colocam muitas vezes no limiar da sanidade e podem mesmo levar a questionar a razoabilidade dos seus métodos.
O desenho de Greg Capullo acrescenta um perturbador toque de realismo, retratando com igual à vontade a (enganadora) luminosidade dos meios sociais, as sombras de Gotham, o negrume do íntimo de ambos os contendores e o vermelho vivo do muito sangue que jorra, numa gama cromática, menos diversificada do que a explanação atrás pode dar a entender, que fundamentalmente compõe e expõe uma Gotham escura, negra e sombria que é, também, indubitavelmente, co-protagonista – se não mesmo estrela principal – de Corte das Corujas/Cidade das Corujas.

Batman: Corte das Corujas
Colecção Super-Heróis DC #3
Batman: Cidade das Corujas
Colecção Super-Heróis DC #4
Scott Snyder (argumento)
Greg Capullo (desenho)
Jonathan Glapion (arte-final)
Levoir/Público
18 e 25 de Fevereiro de 2016
175 x 265 mm, 150 e 134 p., cor, capa dura, 9,90 €

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...