Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

14/02/2016

2016: Arranque em grande para os autores portugueses no estrangeiro







O início do ano concentrou um inusitado número de edições de autores nacionais no estrangeiro. Nos Estados Unidos foram meia dúzia, a que se podem acrescentar edições na Espanha e na Turquia. Fica uma breve panorâmica desses lançamentos e uma mini-entrevista com o André Lima Araújo no final.

Para além da coincidência no tempo, isto é também sinónimo de trabalho com maior regularidade por parte dos ilustradores portugueses.
É o caso de Filipe Andrade que tem desenhado vários heróis da Marvel. De momento é o responsável gráfico de Rocket Raccoon & Groot, escrito por Scotie Young, mais um título derivado do sucesso dos Guardiões da Galáxia, cujo primeiro número foi lançado a 20 de Janeiro.


No entanto, mais significativo é sem dúvida Man Plus, cujo primeiro de quatro números foi lançado na mesma data pela Titan Books. Trata-se de um projecto pessoal de André Lima Araújo, que assina conceito, argumento e desenho (ver mini-entrevista no final) de uma história ambientada numa versão futurista cyberpunk de Lisboa, e onde se notam as influências, assumidas, de grandes nomes do manga como Kahtsuiro Otomo (autor de “Akira”) ou Masamune Shirow (“Ghost in the Shell”). Este autor tem um interessante percurso na Marvel desde 2012, para quem já desenhou mais de duas dezenas de comics dos Avengers, X-Men, Spiderman, Inhumans (a publicar em Março) ou Fundation FF, sendo que o início da sua participação neste último – Los más extraños del Mundo - foi também este mês lançada em livro em Espanha.

 

De regresso aos Estados Unidos, a Dark Horse Comics lançou Requiem, o terceiro volume da trilogia das Incredible Adventures of Dog Mendonça and PizzaBoy, escritas por Filipe Melo e desenhadas pelos argentinos Juan Cavia e Santiago Villa, originalmente lançadas em português pela Tinta da China. Esta editora está a preparar para Março Os Contos Inéditos de Dog Mendonça e Pizzaboy, com prefácio de Lloyd Kaufman, publicados nos EUA na revista Dark Horse Presents, acompanhando o lançamento mundial pela Okam Studio do videojogo baseado nesta série de BD.
Do lado da DC Comics, foram duas as edições com nomes portugueses na capa. Daniel Henriques continua a fazer a arte-final de Bryan Hitch na capa e no miolo de Justice League of America #7 e Miguel Mendonça prossegue a sua colaboração em Teen Titans, desenhando a história The Sum of its Parts, que preenche o n.º 16 da revista.

 

Este arranque de ano em grande para os criadores portugueses teve ainda mais dois capítulos.
A Boom Studios! lançou o sexto e último comic-book com as aventuras de John Flood, um invstigador que, no seguimento de experiências governamentais deixou de dormir, mas  passa a vida alternando entre o real e um estado de sonho, esescrito por Justin Jordan e desenhado por Jorge Coelho.
A concluir, de outras paragens, a Turquia, chegou a notícia da edição de Filin Yolculuğu, que é como quem diz A Viagem do Elefante, na adaptação em banda desenhada da obra homónima de José Saramago, feita por João Amaral.

 

Entrevista André Araújo
Man Plus nasceu do meu gosto pelo cyberpunk

As Leituras do Pedro - O que é Man Plus?
André Araújo - Man Plus nasceu do meu gosto por ficção científica e em especial pelo género cyberpunk, algo alimentado por obras como Blade Runner, Neuromancer, Ghost In The Shell, Akira, entre muitos outros. Foi depois algo que se solidificou quando trabalhava na minha tese de mestrado em arquitectura e percebi que a temática base era comum ao cyberpunk: a tecnologia como extensão do homem. Encontrei muito do que se debate no cyberpunk (inteligência artificial, ciborgues, andróides, nanotecnologia) nos textos que estudei, de autores como John McHale, Marshall McLuhan ou William J. Mitchel. Aliás, o termo Man Plus é o nome de um capítulo de The Future Of The Future, de McHale.

As Leituras do Pedro - Está prevista a sua publicação em Portugal ou noutros países?
André Araújo - Man Plus é constituído  por quatro números, que estão a sair mensalmente. Depois será editada uma colecção que será editada em vários países, incluindo Portugal, com versão traduzida.

As Leituras do Pedro - A experiência ganha a desenhar para a Marvel foi importante para o concretizares?
André Araújo - Sim, claro. Apesar de já ter a ideia para o Man Plus antes de trabalhar para Marvel, muito foi o que aprendi ao trabalhar na Marvel, tanto a nível de desenho como de escrita, cor, legendagem, edição e, acima de tudo, acerca da narrativa em banda desenhada.

As Leituras do Pedro - Após concluíres Man Plus regressas à Marvel ou tens outros projectos pessoais?
André Araújo - Man Plus está terminado há algum tempo já e desde então que já fiz alguns livros para a Marvel. Continuarei até meados de 2016 e depois deverá haver espaço para mais projectos pessoais. Ideias não faltam.

(Versão revista e aumentada do texto publicado no Jornal de Notícias de 10 de Fevereiro de 2016)


1 comentário:

  1. 'Man Plus' não é apenas um capitulo de McHale, mas também um livro de Frederik Pohl (https://en.wikipedia.org/wiki/Man_Plus) e editado em Portugla pela EA (http://bibliowiki.com.pt/index.php/Homem_Mais)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...