Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

08/01/2016

Wolverine: Origem I e II e Logan





Há segredos que existem para ser contados. Outros, deviam ser guardados para sempre. Alguns, só deviam ser contados em grande. Wolverine: Origem, corresponde – em parte… - a um destes últimos casos.

Durante anos tabu da Marvel em relação a um dos seus principais (super-)heróis, a origem – e a vida pré-X-Men - de Wolverine permitiu – devido à total falta de memória que ele revela em relação ao seu passado - muitas tentativas de adivinhação e o contar de várias histórias, de uma forma ou outra ambientadas no seu passado.

Logan, lançado pela G. Floy na Comic Con Portugal - aproveitando a presença do seu desenhador, Eduardo Risso - e agora já disponível em banca, é um desses casos.
Por um lado, história de amor quão intenso quanto fugaz, por outro, desespero e vontade de vingança como únicos sentimentos capazes de manter alguém vivo, foi ambientado no Japão por Brian K. Vaughan, e tem um dos seus pontos fulcrais no dia do lançamento da bomba atómica em Hiroshima. É mais um retrato – possível – de um passado tão longo quanto rico, aberto a todas as interpretações, que brilha pela representação dada por Risso ao vilão da história e pela intensidade dramática que consegue atingir.
Como extra, a edição traz a pré-proposta apresentada por Vaughan à Marvel, o que permite compreender alguns dos passos existentes entre o nascimento de uma ideia na mente do escritor e a sua apresentação final em forma de livro ao leitor.

Quanto a Origem I, clássico inegável apesar de não contar ainda 15 anos - já editado em português pela Devir, primeiro como mini-série depois em volume compilativo - é uma das explicações possíveis – credíveis e consistentes - para o ‘nascimento’ do herói que hoje conhecemos.
A chegada da jovem Rose, recém-órfã, à mansão dos Howlett, para servir como (pouco mais que) criada, é a nota introdutória num universo fechado, dominado pelo intolerante patriarca da família, a quem o filho tenta fazer frente em busca de afirmação, pessoal e social. A clausura da esposa – provocada pela morte de um filho e por um segredo (mal) escondido mas não revelado – e a união que se vai estabelecer entre as crianças – Rose, James (futuro herdeiro da família) e Cão (filho de um dos rendeiros) – será quebrada no dia em que uma desgraça se abate sobre a casa.
Em fuga, acusados de um crime que não cometeram, Rose – a narradora e personagem fulcral da trama – e James, acabarão num sórdido acampamento de mineiros, onde terão que se reinventar para sobreviver.
Esta é uma bela história de um – vários… – amor(es) trágico(s) - que pode/deve ser lida mesmo por quem não frequenta universos de super-heróis. Tem contornos shakespearianos, e um triângulo - no final quarteto - amoroso na sua base, embora este só tardiamente se defina em toda a sua importância. Segredos incómodos (mal) guardados e um – inevitável – confronto entre ricos e pobres, condimentado com prepotência, diversos ódios, intolerância, desejos de vingança e muita violência, latente ou libertada, são outros ingredientes da história.
E é uma bela origem – uma das possíveis…? - para um herói marcante e com a importância que Wolverine tem, superiormente desenhada num estilo realista – e europeu, apetece-me escrever - por um Andy Kubert na posse de todas as suas faculdades gráficas, bem servidas pelas excelentes cores de Richard Isanove.

A diferença para a sua – inevitável? – continuação, Wolverine: Origem II, começa logo no grafismo. E mesmo que as sequências iniciais animalistas até sejam interessantes – possivelmente pela diferença que marcam – a verdade é que com a continuação o interesse gráfico da obra vai decaindo, tal como acontece com o seu enredo.
Impulsionada pela máquina de cifrões que move a indústria dos comics – com tudo de mau e de bom que isso significa – Origem II recupera Logan alguns meses – anos? – após os acontecimentos trágicos que encerram o primeiro volume e apresentam-no num estado semi-selvagem, vivendo entre animais e evitando os seres humanos. Perseguido como fera, explorado enquanto tal, com um enorme sentimento de culpa por todos os relacionamentos destruídos de que se sente/há-de sentir culpado, Logan – Wolverine, estando lá, só se revelará mais tarde na sua plenitude – balança entre as suas personalidades animal e humana, sem conseguir controlar qualquer delas.
Sem a profundidade e a consistência do primeiro tomo, soando mais como continuação oportunista ao serviço de uma ideia, do que como uma série de boas ideias ao serviço de uma história, Origem II – em oposição à mini-série original agora compilada – acaba por ser um exemplo dos riscos da exploração excessiva – e pouco inspirada - do tal passado obscuro(, rico e estimulante?) de Wolverine que, tal como o mutante, deve ser abordado com todos os cuidados.

Wolverine: Origem I
Paul Jenkins (argumento)
Andy Kubert (desenho)
Richard Isanove (cor)
G. Floy Studio
Portugal, Junho de 2015
170 x 260 mm, 168 p., cor, capa dura
ISBN 978-87-91630-93-4
PVP: 11,99 €

Wolverine: Origem II
Kieron Giellen (argumento)
Adam Kubert (desenho)
G. Floy Studio
Portugal, Novembro de 2015
170 x 260 mm, 128 p., cor, capa dura
ISBN 978-84-16510-00-9
PVP: 10,99 €

Wolverine: Logan
Brian K. Vaughan (argumento)
Eduardo Risso (desenho)
G. Floy Studio
Portugal, Dezembro de 2015
170 x 260 mm, 80 p., cor, capa dura
ISBN 978-84-16510-05-4
PVP: 9,99 €

10 comentários:

  1. Atenção Pedro, os livros Origem são desenhados por dois Kubert diferentes. No 1º o Andy e no 2º o Adam.

    ResponderEliminar
  2. Ia fazer esse comentário, mas já foi apontado! Irmãos, filhos de Joe Kubert, mas possuidores de estilos algo diferentes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Erro de palmatória indesculpável... já corrigido.
      Obrigado aos dois pela leitura atenta.
      Boas leituras!

      Eliminar
    2. Reignfire10/1/16 01:08

      Sim. Algo diferentes, mas não de todo, diferentes. Se calhar há quem tenha dificuldades em diferenciar os desenhos dum e doutro, o que não é o meu caso, dado que consigo distingui-los. Mas nota-se que a influência de Joe Kubert está nos 2. Se me perguntarem quais os desenhadores mais parecido com o Andy Kubert, eu logo diria que são o Joe e o Adam, e o mesmo se passa vice-versa.

      Eliminar
  3. Logan não nada a ver só mesmo porque tem o Vaughan a tentar ser Claremont.

    ResponderEliminar
  4. Origens 2 muito jogo mental Sinistro que nao era so obcecado pela Jean.

    ResponderEliminar
  5. Logan está carote, para os preços que a G. Floyd pratica. Mas lá terá que ser. Risso está soberbo na arte.

    ResponderEliminar
  6. Boas!

    Desconhecia que o Origens II foi lançado em Novembro 2015.
    Podem-me indicar quem é a distribuidora para ver se consigo um exemplar?

    Obrigado!

    ResponderEliminar
  7. Não me parece que encontres agora o livro nas bancas, já que ele saiu há 1 mês. Podes comprar na Fnac- loja física ou online. Podes também tentar contactar a editora via mensagem privada na sua página de facebook a saber se podem enviar o livro pra tua casa: https://www.facebook.com/GFloyPortugal/?fref=ts .

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...