Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

17/12/2015

Planeta Hulk, parte 1











Ao contrário do que pode inicialmente parecer, esta não é uma história de super-herói(s). É protagonizada pelo Hulk, é verdade, mas o papel principal, com ajustes no argumento e no local da acção, também poderia ter sido entregue a Spartacus, Buck Rogers, Flash Gordon, Han Solo, Tex ou (muitos) outros heróis, dos quadradinhos - e não só.


Na base desta história, está a decisão dos Illuminati – Homem de Ferro, professor Xavier, Dr. Estranho, Raio Negro, Namor e Reed Ricahrds – de enviarem o Hulk para um planeta desabitado distante, para porem fim aos danos colaterais provocados pelos seus ataques de fúria, apesar dos seus (muitos) fiéis e leais serviços.
Um erro de rota acabará por o conduzir ao planeta Sakaar – na primeira prancha do presente volume, onde um imperador – à imagem de muitos com que o império romano presenteou este planeta - domina e leva à extinção muitas das raças que o habitam, impondo-se pela força, a corrupção e a organização de jogos entre gladiadores.
É neste ponto que termina a presumível história de super-heróis e começa um épico em que Hulk e uma meia dúzia de heróis de várias raças, capturados e obrigados a lutar na arena, vão acabar por encabeçar uma luta contra o tirano, pela sua liberdade e pela libertação do planeta.
A história de Greg Pak, onde não é difícil descobrir a influência do trajecto de Spartacus contra os romanos, está bem escrita, é coerente e cativa o leitor, até porque ele a vai entremeando com as histórias particulares de cada um dos co-protagonistas.
O Hulk descrito por Pak, é o gigante verde sem Banner, medianamente inteligente para avaliar as situações e fazer opções, dotado de grande força e de uma grande força de vontade, como sempre – até certo ponto… – mais interessado em ser deixado em paz do que em ser o herói que todos vêem nele.
Intrigas, traições e o crescimento dos interesses pessoais de cada um à medida que os objectivos vão sendo alcançados, são outros aspectos que equilibram, ampliam e transformam esta narrativa num verdadeiro épico, cujo tom faz com que pareça algo deslocada numa colecção Marvel.
A planificação, muito dinâmica e repleta de vinhetas de grande dimensão, acompanha bem o tom geral, mas o desenho, consoante o seu responsável nem sempre consegue fazê-lo, embora a espaços atinja um excelente nível.
Resta agora aguardar pela conclusão – e a história ainda tem muitas voltas a dar! – no 9.º volume da Colecção Oficial de Graphic Novels Marvel.

Planeta Hulk, parte 1
Greg Pak (argumento)
Carlo Pagulayan, Aaron Lopresti, Michael Avon Oeming, Alex Niño e Marshall Rogers (desenho)
Jeffrey Huet, danny Miki, Sandu Florea, Mike Allred, Alex Niño e Tom Palmer (arte-final)
Salvat
Portugal, 14 de Dezembro de 2015
180 x 260 mm, 176 p., cor, cartonado, 11,99 €

1 comentário:

  1. A historia e boa só que durante o Exílio de Superman,ele sofre do mesmo problema e com poderes reduzidos tornasse gladiador no Mundo Bélico e derrota Mongul.só o fim e que e diferente,e esta historia foi animada pela Marvel e saiu aqui em Dvd:

    http://www.fnac.pt/Planeta-Hulk-sem-especificar/a307160

    https://www.mycomicshop.com/search?TID=683401

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...