Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

22/12/2015

Bernard Prince: A Lei do Furacão













Uma das vantagens de uma colecção como esta, que a ASA e o Público estão a disponibilizar semanalmente à quarta-feira, é permitir a avaliação da sua evolução ao longo dos anos.

Na verdade, histórias que originalmente foram publicadas ao longo de 10 anos, são agora apresentadas ao leitor em menos de três meses.
No caso de Bernard Prince, se a estrutura fundamental da série se mantém, é interessante notar que tematicamente há alterações que vão sendo introduzidas.
Se no início – ainda com grande dose de ingenuidade para o nosso olhar actual - o modelo é o da aventura pura franco-belga, com Prince, mais moderado e equilibrado, a servir de contraponto aos mais impulsivos Jordan e Djinn, em enredos desencadeados pela acção de gente que vive à margem da lei e que, recorrentemente, vai cruzando o caminho do trio de protagonistas, com o passar das histórias, a situação vai mudar. A natureza – e o destino ou acaso, como lhe queiram chamar – tem/terá um peso e uma importância cada vez mais determinantes.
Em A Lei do Furacão, sexto tomo desta colecção, isso é já por demais evidente. Se é ainda o encontro casual com El Lobo (apresentado em Tormenta sobre Coronado) que vai levar Prince e os seus amigos até ao local da acção – uma ilha perdida onde se dedicam à exploração de pérolas, negócio do qual El Lobo é dono de um terço, ganho ao jogo – vai ser a natureza, primeiro por interposição de uma moreia gigante, depois pelo desencadear de um fenómeno natural, que vai pautar, conduzir e provocar o desfecho do episódio, face à impotência e fragilidade dos ‘heróis’ humanos.
Realmente, de forma analítica, quase é possível dizer que Prince, Jordan e Djinn são pouco mais do que meros figurantes e que esta narrativa não possui sequer vilões – pelo menos no seu conceito tradicional – o que representava uma quebra significativa com a tradição da BD de aventuras franco-belga – e não só…
Em termos gráficos, a evolução de Hermann é – se tal é possível – ainda mais evidente, com este álbum, a espaços – em especial nas páginas que mostram o furacão e os seus efeitos - a permitir antever traço realista do desenhador (e colorista) de eleição que hoje (re)conhecemos.

Bernard Prince: A lei do Furacão
Greg (argumento)
Hermann (desenho)
ASA/Público
Portugal, 16 de Dezembro de 2015
217 x 287 mm, 48 p., cor, capa molde com badanas
5,40 €

1 comentário:

  1. sem duvida uma grande obra, pecando apenas por apresentar acabamentos tao fracos. O autor, o herói mereciam outro tipo de registo, a par do XIII ou mesmo o Ric Hochet. No entanto mais vale isto que nada :)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...