Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

13/11/2015

Meurtre au Mont-Saint-Michel + Mont Tombe









Que a BD é um género narrativo com enormes potencialidades é uma evidência que tenho tentado mostrar repetidamente neste espaço. Que essa evidência é mais fácil de comprovar no mercado franco-belga, dada a sua dimensão e variedade, não será grande surpresa.
As duas obras que hoje me ocupam, provam-no mais uma vez. E mais, demonstram que esses propósitos tanto podem ser cumpridos no formato franco-belga (mais) tradicional, quanto por um manga (mesmo que de origem ocidental).

Nos dois casos - Meurtre au Mont-Saint-Michel e Mont Tombe, é o Mont Saint-Michel que serve de local de acção e, por isso, ambas as edições receberam o patrocínio – tão útil nos dias que correm – das Éditions du Patrimoine – Centre des Monuments Nationaux.
[E, porque é importante, até para a forma como se desenrolam ambas as obras, diga-se que o Mont-Saint-Michel, se situa no noroeste de França, na foz do rio Couesnon, junto ao Canal da Mancha. É um ilhote rochoso, onde no século XIII foi construída uma abadia e ao seu redor nasceu uma pequena localidade. Ligada ao continente por um istmo, tem a particularidade de em determinadas alturas do ano ficar isolado do continente devido à subida das marés. Este fenómeno natural, contrariado no final do século XIX, foi retomado para fins turísticos eem 2012.]

Em Meurtre au Mont-Saint-Michel, o monte serve de cenário a um policial de matriz clássica, funcionando, graças à subida da maré, como local fechado onde ocorre um assassinato e um rapto. A procura do assassino – rapidamente orientada para o estrangeiro de passagem…, que se revelará quem não parecia ser - cria um ambiente de tensão constante em que investigadores, simples figurantes, o (desconhecido) assassino e outras potenciais vítimas convivem e coexistem, até à (inevitável) descoberta final, lógica mas, como devido, pouco evidente. Tudo servido por um grafismo atraente, pintado com uma paleta de cores assumidamente limitada mas que contribui para criar o ambiente pretendido.

Quanto a Mont Tombe, vocacionado para leitores mais maduros pelo tom exotérico que assume, parte da descoberta acidental de uma gruta para explorar uma das lendas locais, que assinala o Mont Saint-Michel como local onde teriam sido escondidas algumas relíquias religiosas de grande valor – e poder… para desencadear o Apocalipse! A identificação do argumentista, Izu, como Guillaume Dorison, escritor com provas dadas nesta área, aumenta o interesse pela história que, apesar de alguma linearidade, não desmerece a sua fama e merecia, sem dúvida, um desenho mais exigente e conseguido.

No final, se em nenhum os casos estamos na presença de uma obra-prima, daquelas cuja leitura se recorda ao longo de anos ou décadas, são mais dois exemplos de obras de leitura agradável que – mais do que isso? – cumprem o papel que as originou: a utilização do Mont Saint-Michel como local privilegiado da sua acção, promovendo-o nas suas vertentes histórica e turística. Não é pouco e muito menos desprezável.

Meurtre au Mont-Saint-Michel
Jean-Blaise Dijan (argumento)
Marie Jaffredo (desenho)
Glénat + Éditions du Patrimoine – Centre des Monuments Nationaux
França, Julho de 2015
240 x 320 mm, 48 p., cor, cartonado
EAN: 978-2344006030
13,90 €



Mont Tombe
Izu (argumento)
ASAN (desenho)
Glénat + Éditions du Patrimoine – Centre des Monuments Nationaux
França, Setembro de 2015
145 x 210 mm, 176 p., cor, cartonado
EAN: 978-2344006030
10,75 €


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...