Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

04/11/2015

Cher pays de notre enfance













O tema – a subpolítica francesa desde os anos 1970 – e a dimensão do livro, levou-me a hesitar quanto a lê-lo, durante algum tempo, mas finalmente decidi-me. Teria feito mal se assim não fosse.

Verdadeiro documentário em banda desenhada – como refere aliás um dos entrevistados – Cher pays de notre enfance é o relato de um inquérito levado a cabo por Étienne Davodeau e o jornalista Benoît Collombat, em torno dos assassinatos do juiz Renaud, a tiro, em Lyon, em 1975, e do ministro Roberto Boulin, em 1979, disfarçado de suicídio por afogamento num curso de água com 50 centímetros de profundidade…
A eles, surge associado o nome de uma organização apropriadamente intitulada Le Sac (o saco ou Service d’Action Civique), alegadamente também relacionada com o ‘assalto do século’ em França bem como de outros assaltos, que teriam como objectivo angariar fundos.
Numa França ainda marcada – e dividida – pela II Guerra Mundial e recém-saída da Guerra da Argélia, cujas reminiscências foram bem mais marcantes do que a nossa Guerra Colonial, aquela que começou por ser uma organização com o intuito de apoiar o general De Gaulle, rapidamente ganhou contornos mafiosos, misturando política, influências e crime, surgindo por isso associada não só aos assassinatos referidos, bem como aos principais acontecimentos políticos do último meio século em França, desde o apoio a candidatos de direita até à oposição às lutas sindicais, passando pelo jogo de influências que levou ao branqueamento, ao abafar e ao esquecimento de muitas investigações – da polícia e do parlamento francês – como aconteceu com os dois casos referidos – e em boa parte dos outros 45 assassinatos políticos ocorridos em França sob as presidências de Georges Pompidou e Giscard d’Estaing.
Se a temática parece algo desinteressante, em especial para não franceses, Davodeau encarrega-se de lhe dar uma roupagem adequada, começando por se incluir a ele e a Collombat como co-protagoonistas – a par de todos os inquiridos - o que confere um tom de credibilidade acrescido. Depois, faz de cada entrevista um momento dinâmico, pela forma como vai mudando os enquadramentos, como se de um baile de câmaras se tratasse, e adiciona-lhes uma série de pequenos apontamentos humanos – risos espontâneos, reacção dos inquiridos ao facto de serem desenhados (autorizando-o ou não), as modificações sugeridas/impostas às versões desenhadas…
Desta forma, consegue captar a atenção do leitor, prendê-lo ao relato e transformar um temática que poderia revelar-se algo árida, maçadora e vazia, quase num relato policial - apaixonado e apaixonante - em que Davodeau e Collombat expõem o que vão ouvindo e lendo – de forma subjectiva, claro, pois a sua opinião é conhecida desde o início – mas com margem de manobra suficiente para o leitor poder formar a sua própria opinião.
Partindo da (excelente) ficção nos seus primeiros álbuns, embora já com um fundo social, autor militante, divulgador de causas, defensor de paixões, Étienne Davodeau dá mais uma lição de narração aos quadradinhos, explorando todas as potencialidades do género (também) na exploração do género documental, e, por isso, Cher pays de notre enfance surge perante nós como (mais) uma obra notável.

  

Cher pays de notre enfance
Benoît Collombat e Étienne Davodeau  (argumento)
Étienne Davodeau (desenho)
Posfácio de Roberto Scarpinato, procurador-geral de Palermo
Futuropolis
França, Outubro de 2015
195 x 265 mm, 224 p., pb, capa dura
Impresso em papel Munken Pure 130 g
ISBN : 978-2-7548-1085-2
24,00 €

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...